Tão pouco e tanto!

O dia semi-começa.
A tua ausência é espinho. A tua falta é o que não fecha nem cicatriza. Veja de perto... Dentro de mim há uma parte que é inteira sua. E ali onde deveria estar você, existe um nada quase insuportável.
O dia nasce sempre pela metade... Porque é sempre meio noite quando não há você por perto. As coisas que são sem você são todas velhas e inúteis. Há uma parte em mim que quer você feliz. Essa é a parte mais completa que eu trago em mim. Essa que se contenta com poucas e adoráveis memórias. Essa que guarda cada gesto, cada palavra, cada fato, cada sonho. Somos tão pouco! Mas Somos tanto!!! Somos tanto e tão imensos que o mundo torna-se insustentável. Existe um abismo enorme entre o que é e o que era pra ser. Um eterno querer e nunca estar. Querer é pouco e não te faz mais perto. Eu te vejo de longe. Eu te observo e te sinto, como um quadro raro resguardado de todos os outros olhos. Você... Não sei como me vê. Nem sei se me observa os sorrisos e os gestos, mas já tem tudo o que há de vivo em mim. Pegue o que quiser! Tudo já é seu mesmo! Dentro de mim, o que há de seu se engrandece e a parte de mim que é sua está trancada e vigiada por mil esfinges. A ausência é cruel, feroz e quer respostas e confissões difíceis . Parte de mim quer tudo aquilo que não tem e que o passado já levou.... Parte de mim dói e chora pelo futuro incerto e impossível. Os dias sem você são como uma não-existência. Perdem a graça. Os dias são normais e chatos quando nascem pela metade. E a noite é um espinho que cutuca e dói. A noite insiste em te tirar de mim. Dentro de mim, a parte vazia grita: 'FALTA UM PEDAÇO! Você está pela metade!'... Um dia, quem sabe um dia! Não. Não há razão nem explicação. Esse é apenas um poema sobre o vazio. Sobre a metade que falta em tudo o que existe. E sem essa metade, tudo termina incompleto. O último apaga a luz. As coisas são ocas e vazias. Devolve a minha metade! Quero ser completa! E isso é só o começo...
O dia semi-termina.
'Silêncio!' - Grita o NADA existente em TUDO!
Mil ESFINGES do VAZIO observam
O IMPOSSÍVEL derramar-se no CAOS !

13 MIL RECADINHOS:

Van disse...

Por que será que ninguém comenta os meus posts de cunho romântico????? Aff....

Poliana disse...

Tão pouco e tanto!

Achei lindo! Alias como tudo que eu li neste site.
Meus parabéns!!!

Van disse...

POLIANA:
Muuuuuuuuuuito obrigada!!!!!!!
Venha sempre que quiser. Será muito bem-vinda!!!!
Beijuca

ZANA disse...

JUDIEIRA NÃO!!!MUITO FORTE,TOCANTE A BAGAÇA HEIN!!CONTINUE ASSIM SEMPRE TRAZENDO ALGO QUE NOS FAZ PENSAR!! TE ADORO VAN BJUS!!

dän disse...

perfeito hein...

dän disse...

e os comentarios e visitas aumentando... hehehe

Van disse...

Viu só, Ploca?
Eu chego lá!!!
(Lá onde é que eu não sei!)
Mas com vocês por perto, espero!
Beijucas

Angellis disse...

Nossa...fazia mto tempo que não lia algo que pudesse me tocar de tal maneira. Suas palavras são perfeitas.

E obrigado por comentar lá no meu blog.

Bródi "Tom" Negão disse...

Pés adoráveis. São os seus?

Van disse...

Sim, são meus pés.....
;)
Obrigada pelo elogio!
Fique à vontade pra visitar-me sempre que quiser!
Beijuca

DM disse...

Oi Van !

Vim pela 1ª vez, te visitar, achei teu último "post" melancólico ... Coisas de poeta e você é uma autêntica, pelo visto ...

Beijos

DM das Vacas !

Van disse...

Poeta? Que nada!
"O POETA É UM FINGIDOR"....
DM, amei sua visita!
Tava faltando!
Agora todas as Vacas estão presentes!
Curral está completíssimo!
Beijuca

Angellis disse...

Ué, cada os novos posts? Quero mais!

Bjuss querida

Bom fds!

 
©2009 VAN FILOSOFIA! | by Van Luchiari