O DIREITO AO FODA-SE! por: ALGUÉM QUE NÃO É O Millôr Fernandes

UPDATE: (20:28) Um querido amigo me informou que esse textículo é erroneamente atribuído ao Millôr. Leiam mais no comentário que ele deixou (com um link pra resposta do próprio Millôr). E foda-se todo mundo que cria essas confusões de autoria nessa internet burra e desinformada! E foda-se eu também por ter me informado mal dessa vez! (O texto continua sendo ótimo, seja lá de quem for.) E tenho dito! Não gostou? Já sabe....... FODA-SE!
"O nível de stress de uma pessoa é inversamente proporcional à quantidade de Foda-se! que ela fala. Existe algo mais libertário do que o conceito do Foda-se!? O Foda-se! aumenta minha auto-estima, me torna uma pessoa melhor. Reorganiza as coisas. Me liberta.
- Não quer sair comigo? Então Foda-se!
- Vai querer decidir essa merda sozinho (a) mesmo? Então Foda-se!
O direito ao Foda-se! deveria estar assegurado na Constituição Federal.
Os palavrões não nasceram por acaso. São recursos extremamente válidos e criativos para prover nosso vocabulário de expressões que traduzem com a maior fidelidade nossos mais fortes e genuínos sentimentos. É o povo fazendo sua língua. Como o Latim Vulgar, será esse Português Vulgar que vingará plenamente um dia.
Pra caralho, por exemplo. Qual expressão traduz melhor a idéia de muita quantidade do que Pra caralho? Pra caralho tende ao infinito, é quase uma expressão matemática. A Via-Láctea tem estrelas pra caralho, o Sol é quente pra caralho, o universo é antigo pra caralho, eu gosto de cerveja pra caralho, entende?
No gênero do Pra caralho, mas, no caso, expressando a mais absoluta negação, está o famoso Nem fodendo!. O Não, não e não! e tampouco o nada eficaz e já sem nenhuma credibilidade Não, absolutamente não! o substituem. O Nem fodendo é irretorquível, e liquida o assunto. Te libera, com a consciência tranqüila, para outras atividades de maior interesse em sua vida. Aquele filho pentelho de 17 anos te atormenta pedindo o carro pra ir surfar no litoral? Não perca tempo nem paciência. Solte logo um definitivo "Marquinhos presta atenção, filho querido, NEM FODENDO!". O impertinente se manca na hora e vai pro Shopping se encontrar com a turma numa boa e você fecha os olhos e volta a curtir o CD do Lupicinio.
Por sua vez, o Porra nenhuma! atendeu tão plenamente às situações onde nosso ego exigia não só a definição de uma negação, mas também o justo escárnio contra descarados blefes, que hoje é totalmente impossível imaginar que possamos viver sem ele em nosso cotidiano profissional. Como comentar a gravata daquele chefe idiota senão com um PHD Porra nenhuma! ou "ele redigiu aquele relatório sozinho Porra nenhuma!". O Porra nenhuma, como vocês podem ver, nos provê sensações de incrível bem estar interior. É como se estivéssemos fazendo a tardia e justa denúncia pública de um canalha. São dessa mesma gênese os clássicos aspone, chepone, repone e mais recentemente, o prepone - presidente de porra nenhuma.
Há outros palavrões igualmente clássicos. Pense na sonoridade de um Puta-que-pariu!, ou seu correlato Puta-que-o-pariu!, falados assim, cadenciadamente, sílaba por sílaba... Diante de uma notícia irritante qualquer puta-que-o-pariu! dito assim te coloca outra vez em seu eixo. Seus neurônios têm o devido tempo e clima para se reorganizar e sacar a atitude que lhe permitirá dar um merecido troco ou o safar de maiores dores de cabeça.
E o que dizer de nosso famoso vai tomar no cu!? E sua maravilhosa e reforçadora derivação vai tomar no olho do seu cu!. Você já imaginou o bem que alguém faz a si próprio e aos seus quando, passado o limite do suportável, se dirige ao canalha de seu interlocutor e solta: "Chega! Vai tomar no olho do seu cu!" Pronto, você retomou as rédeas de sua vida, sua auto-estima. Desabotoa a camisa e sai à rua, vento batendo na face, olhar firme, cabeça erguida, um delicioso sorriso de vitória e renovado amor-íntimo nos lábios.
E seria tremendamente injusto não registrar aqui a expressão de maior poder de definição do Português Vulgar:
Fodeu!. E sua derivação mais avassaladora ainda: Fodeu de vez!. Você conhece definição mais exata, pungente e arrasadora para uma situação que atingiu o grau máximo imaginável de ameaçadora complicação? Expressão, inclusive, que uma vez proferida insere seu autor em todo um providencial contexto interior de alerta e autodefesa. Algo assim como quando você está dirigindo bêbado, sem documentos do carro e sem carteira de habilitação e ouve uma sirene de polícia atrás de você mandando você parar: O que você fala? Fodeu de vez!
Liberdade, igualdade, fraternidade e Foda-se! ..."
(Qualquer um menos o Millôr)

Meu sincero e carinhoso Foda-se! ao querido Rayol que me mandou esse texto! ;)

20 MIL RECADINHOS:

Flávia disse...

Rsrsrsrs... há momentos em que nada é mais expressivo do que um bom palvrão em alto e bom som!

Beijos!

Olegária quer falar disse...

Os palavrões tem o sabor da transgressão. Quando eu era criança (ihh, faz tempo!) até bunda era palavrão. Imagine! BUUUUNNDDAAA! Merda então, era horrível! Pois as palavras vão sendo absorvidas como em qualquer língua e acabam por perder a conotação. Aí Caralho já vai pro Aurélio e assim por diante.

Obrigado pela visita. Olegária te espera de novo.

Sílvio

ninguem disse...

gostei do que voce escreveu,bem chocante ,esaeses

Ricardo Rayol disse...

Realmente é um post libertário. Obrigado pelo carinho e fodam-se quem não gostar.

Leticia disse...

Ai muitas vezes é libertador sim mas tem gente que usa como pontuação....nada demais é bom.
Quer saber foda-se , quem não gostar que se afaste!
Bjs e bom final de semana.

Edson Marques disse...

Bela crônica do Millôr.

Mas, voc~e já pensou que, dependendo do ponto de vista, e das preferências, foder-se pode ser uma delícia?

Nessas cricunstâncias, "foda-se" porde ser um elogio maravilhoso!


Nesse caso, foda-se!


Entre abraços, flores e estrelas...




,

lucordeiro disse...

A-DO-RE-I!!! Caramba, tinha que vir de um mestre como o Millor. Me sinto aliviada e justificada pq sou malvista qdo ligo o foda-se e o jogo na cara do mané que está a fim de me ferrar o juízo. Outra coisa: vim, em nome da Olegária, agradecer sua visita. E te convidar pra ler uma nova fala dela que acontece hj lá pela meia-noite. Essa promete!!! E fodam-se os moralistas de plantão!
Beijos

Better Things disse...

Lamento, esse é mais um texto apócrifo, atribuído a algum autor famoso (Millôr Fernandes, LF Verísimo, dentre outros, são vítimas constantes dessas imposturas). Caso ainda não viram, há no web site do Millôr uma longa explicação em que ele critica o teor do texto e, claro, nega a autoria:

http://www2.uol.com.br/millor/aberto/textos/005/005.htm

Van disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Van disse...

BETTER THINGS:
Uia!
Querido, primeiramente, seja bem-vindo de volta aos comentários, mesmo que tenha sido apenas pra uma correção literária.
Depois, devo dizer que dessa vez eu achei que fosse mesmo do Millôr, já que dei busca no Google (como faço sempre pra checar as autorias dos textos) e achei em vários jornais e revistas como sendo mesmo do Millôr. Enfim. Não é dele. Obrigada pela informação.
Mas seja lá de quem for, eu adorei!

E FODA-SE!

Beijuca querido!
Bom fim-de-semana!

Angelina disse...

AHHHH eu tb tinha certeza que esse texto era do millôr.. não é, mas bem q poderia né??? é simplesmente perfeeeito! kkkkkkk

ah seu comentario la sobre a camuflagem!!! ri muito qdo li! kkkkk é exatamente assim que fica parecendo né!! kkkkk

Erika disse...

O Vai tomar no olho é a melhor parte.. rsrs

beijos maravilhosa

renatinha! disse...

Van querida,

Então vc curte o kamasutra é?!?

Vou postar algo sobre e te aviso!

Bjus

Otimo fds!

Better Things disse...

Querida,

Não prentendia (e não pretendo, muito embora isso esteja além do nosso controle) ser um estraga-prazeres. A idéia foi tão somente esclarecer um mal-entendido. Não tenho procuração do Millôr (e nem gostaria de tê-la), mas a bem da verdade... (argh)

É que não me agrada que alguém diga que eu disse algo que eu não disse. Já basta o tanto que eu digo, o que não é pouco.

Beijos longos, profundos e apaixonados, como sempre.

Van disse...

BETTER THINGS:
Ora, querido.... Você não é e nunca será um estraga-prazeres. Muito pelo contrário. Eu também não gosto dessas coisas de confundir e/ou plagiar obras alheias. Eu gosto de saber as fontes corretas das coisas. Achei ótimo que você veio esclarecer o mal-entendido da vez! Obrigada!
Agora fiquei curiosa pra saber quem foi realmente o autor do texto! :)
Se você descobrir, me diga, por favor!

Mas o melhor de tudo isso é que você voltou!
;)

Beijuca

Sir DoRego disse...

"foda-se" o Millor por ele ter perdido a oportunidade de ter escrito este texto...
saudações sinceras

Osc@r Luiz disse...

Então me fodi!
Já critiquei a Lilica quando postou isso e continuo não gostando.
Neruda e Foda-se não combinam.
Estou no meu direito.
Então, já sei e mesmo assim mantenho: Fodo-me eu!
Beijo!

Beth disse...

Foda-se tudo ...... kkkkkkk
Ae tem um blog bem bacana que tenta desvendar o tal "autor desconhecido". Achei bem bacana o trabalho da dona do blog. http://www.autordesconhecido.blogger.com.br/
Mas não encontrei esse texto por lá e sempre acreditei que fosse do Millor também.

Beijinhosss

DM disse...

Também já lido esse texto, como se fosse do Millor, mas há momentos na vida em que um "palavrão" bem aplicado, é a melhor saída ....
Parafraseando o Sir, foda-se o Millor por não ter sido o autor do texto !!! HÁ HAAAAAAA

Que bom que você está tão bem-humorada, tava te acando tão triste, dias desses ....

Van disse...

DM - querida, tô melhor sim.
Estava tristonha, mas algumas coisas que eu descobri me libertaram do desassossego que me rondava.... Voltei pra mim!
Beijuca, amore!

 
©2009 VAN FILOSOFIA! | by Van Luchiari