POR PERTO

Eu quero estar perto das máquinas de escrever antigas de onde saem tuas letras. Quero estar perto das palavras e mágicas que saltam dos teus dedos. Quero estar perto dos jardins e labirintos onde vivem teus seres imaginários. Perto dos conceitos que tu inventas.
Quero estar perto do fim do dia, de um novo começo. Perto das águas mais furiosas. Perto das folias de saber-te meu. Eu quero estar perto do teu hálito fresco, doce e afrodisíaco. Perto de todos os morangos que me dás!
Eu quero estar perto dos temperos mais exóticos, dos animais mais antigos, das cavernas em que te escondes. Perto dos ventos e das tempestades de raios! Perto das loucuras que cometes por amor e das fogueiras das paixões explosivas.
Quero estar perto do cais onde tu ancoras os teus navios. Perto dos teus mares em fúria e das tuas águas em calmaria. Quero estar perto dos ardidos, das pausas, dos rascunhos, das rasuras. Quero estar perto dos teus urgentes. Oferecer-me aos teus dentes. Beber do teu veneno. Provar do teu eterno. Quero estar dentro dos teus véus, dentro dos teus céus, do mundo e da boca. Quero estar perto do teu centro e dentro do teu sexo. Perto do teu êxtase e do teu alívio. Perto do teu adormecer e dos teus sonhos mais profundos.
Quero estar perto dos teus olhos, do teu toque. Estar perto da tua existência tão distante e tão próxima e minha. Perto dos teus desejos, dos teus eretos. Quero tatuar-me nos teus concretos.
Quero estar perto dos teus passos, caminhar nos teus espaços, entregar-me aos teus abraços. Estar perto das tuas amarras macias. Fazer-te atas, nós e laços. Quero nadar nos teus submersos, mergulhar nos teus versos. Banhar-me contigo em lagos límpidos e eróticos. Engolir todos os teus átimos.
Eu quero estar perto das tuas artérias, dos teus pelos, da tua pele. Perto das línguas doces e úmidas que lambem e molham o meu corpo. Perto dos líquidos, dos viscosos, dos saborosos. Quero estar perto dos tecidos suaves em que me deitas.
Quero estar perto das curvas perigosas que me levam até ti. Perto dos teus castelos e das tuas riquezas. Perto do teu avesso, do teu inconfesso, dos teus emaranhados. Dos teus espelhos e dos teus absurdos. Quero estar perto das sinfonias inacabadas que me dedicas. Estar perto dos teus altos, embaixo dos teus saltos. Acordar nas tuas noites, fazer amor contigo e tuas estrelas. Quero estar perto dos precipícios abissais, dos mergulhos encantados, das cidades esquecidas, das luzes apagadas. Quero estar perto de você em cada pedaço, em cada estrada.
Enganar o tempo e o espaço pra estar ao teu lado.

Por Van Luchiari ©

9 MIL RECADINHOS:

Nil Brito disse...

PELAMORDEDEUS!!!!

Vou mandar este comentário rápido pq quero ser o primeiro. Mas eu copiei e salvei o texto porque:

Quero tomar um fôlego...
Quero ler de novo (muitas vezes)...
Quero saborear cada palavra...
Quero admirar cada imagem...
Quero me perder em cada curva, cada caverna, cada artéria...

Ufa... para só então, fazer um comentário digno desta verdadeira obra de arte!

bjs exatasiados


nil

Erika disse...

To com Nil.... de tirar o folego.

Beijos gêmea queridissima

Paola a Estranha disse...

Meus sais minerais!
Te dou morangos e você acaba comigo dessa maneira fia!
Beijucas!

John Coffey disse...

Sem palavras...

Apenas vontade de querer conseguir me expressar assim...

Beijos mil!

Flavinha disse...

Muda.

E maravilhada.

Beijos mil!

Antonio Ximenes disse...

Van.

Eu terei que jogar a humildade no lixo.

Esse teu texto... é para mim... não se não for verdade... pois em meu íntimo recebo tuas palavras e o calor que emana de cada sílaba.

Sou teu leitor
Sou teu público
Sou teu...
... mesmo de longe.

Um beijo de corpo inteiro.

Tatá disse...

Van,

Consegui visualizar todos os caminhos das carícias mapeados neste belo poema!
Fiquei emudecida; totalmente anestesiada!

Um beijo
;)

Thiago disse...

eu quero estar vivo quando vc escrever um livro. Quero estar perto quando estiver aflita... quero estar além da concha que te proteje, e quero estar morto antes que vc desista...
bjos querida...

Ricardo Rayol disse...

quero estar perto de seus pensamentos, dos atos insanos da escrita, das palavras enfileiradas em versos, frases cruciais. Delirante minha querida, achei demais.

 
©2009 VAN FILOSOFIA! | by Van Luchiari