EU TE AMO DE AMOR

O que eu amo em ti não é a sua beleza visceral e quase surreal. Nem é o teu jeito de calar e de negar me dizer as coisas que eu quero ouvir.
Eu não amo em ti o silêncio nem o barulho.

Não te amo porque já sou tua mesmo sem querer e sem que tu precises pedir.
Não te amo porque tu me fazes escorrer, latejar e pulsar o tempo todo mesmo sem estar por perto.
Não é por isso que te amo!
O que eu amo em ti não é a tua cara de solidão, nem o teu olhar devastador implorando meu querer.
Não te amo só porque quando tu apareces o meu coração dispara e o cio invade meu corpo percorrendo-me feito língua molhada.
Não te amo porque confesso-te entre gemidos as minhas coisas mais profundas.
Não é por isso!
O que eu amo em ti não é o que você me faz sentir de cima a baixo e muito mais embaixo. Nem é porque você faz poesias que me tiram o chão e o eixo e me enchem de umidade constante, mesmo em tempo de secura.
Não te amo porque teu suco é uma ilusão apetitosa que eu lambo e mordo num sonho molhado de madrugadas e cadências.
Também não é isso!

O que eu amo em ti não é a forma como você chega sempre assim, gatuno e proibido, roubando minha fúria e desvendando meus truques. Nem é porque você invade minha cama e penetra meu sexo com delírio e fantasias.
Não te amo porque cada respirar teu me deixa existir e me faz mais plena, completa.

Não te amo porque me dás de beber e comer da tua fonte inesgotável de torpor.
Não é pelo teu gozo intoxicante que eu te amo. Não é isso!

O que eu amo em ti meu amor, não é o fato de saber-te novo e lúdico, nem é por ver-te brincando com o meu coração nas mãos, amassando-o e sugando com força a vida que existe nele.
Não é porque tu jogas comigo e pareces sempre ganhar. Não é por isso que te amo!

Eu não te venero, amor, pela arte exposta e viva que tu és. Nem é pelas mãos que me percorrem e entram em cada vão, espalhando em mim o meu gosto, usando-me como tela. Nem pela alma entregue que te dou em cofres protegidos (o segredo pendurado em teu peito, feito medalha).
Eu não te amo pelo que tu faz mexer em mim. E olha que mexes em tudo! E fazes voar as borboletas. E fazes escorrer os morangos pelos meus seios e pernas, fartamente.
Mas não é por isso que eu te amo!

Eu te quero, eu te venero, eu te amo sim! Amo-te pelo que de mim eu vejo em ti e pelo que fazes da minha imagem em ti. Eu te amo pelo que eu te dei pra que tu mastigasses e provasses.
Tu és como um espelho refletindo o que eu te dei, o que de mim é teu. Eu tornei-te assim do meu jeito, pra poder amar-te sem medo. Como a mim mesma.
Pra que tu coubesses em mim, sem me machucar, eu te fiz assim com o meu tamanho exato.

Eu te soprei muito de mim, pra poder provar desse amor que eu mesma sinto e que dou a cada instante pra te preencher os vazios.
Eu te amo porque tu misturas nós dois aí dentro de ti e ousas beijar minha boca com fome e com gula. Porque por mim tu torna-te fluido, orgasmo e êxtase.
Doce fantasia! Desejo intoxicante!

Eu te amo porque és aprendiz do meu amor e eu do teu. E porque tu aprimoras as palavras rasas e feias que eu te escrevo. E porque tu me devoras o tempo todo em que eu insisto em co-existir em ti e tua distância.
Por isso te amo.

Por Van Luchiari ©

10 MIL RECADINHOS:

Nil Brito disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Van disse...

Querido......
Espero que me entenda....
Desculpe-me, mas apaguei teu comentário porque ninguém tem que ficar sabendo das tuas coisas. O que é teu é teu. Pra te preservar eu apaguei.

Copiei teu coment e o salvei. Tá guardadinho comigo, forever. Como todos os outros tantos.
Guardo com o maior carinho do mundo.
Te adoro muito. Você sabe.
E tô aqui.

Fica bem, meu bem.
Beijucas inteiras.

Edu Grabowski disse...

Eita Van...
Eu podia ter escrito isso:

"... E porque tu aprimoras as palavras rasas e feias que eu te escrevo. E porque tu me devoras o tempo todo em que eu insisto em co-existir em ti e tua distância.
Por isso te amo."

é novidade dizer que adorei??!!

Adorei!
=))

beijo grande,
Edu.

Flavinha disse...

Vanzinha, mais uma vez você deu forma ao que eu penso... amar o outro pelo que o outro NÃO é. Parece difícil, não? Mas é simples... é nó não pensar demais e sentir, ao invés de racionalizar as coisas.

Eu te ái lóve iú a lot.

Saudade. Beijo.

Mais saudade. Mais beijo.

Antonio Ximenes disse...

Van.

Antes de tudo.

Um abraço de quem não tem aparecido muito.

Olha.

O verdadeiro amor é aquele que não tem controle... planejamento.

Ele simplesmente... existe.

Sem pedido
Sem esforço
Sem... controle.

Abração desse seu fã pitoresco.

Adao Braga disse...

é tudo verdade!

Lord of Erewhon disse...

Amor gótico... aos 20 é vampírico, aos 30 sombra da Esfinge, fica esotérico... :)

Dark kiss.

rafael disse...

eu não sei como pude ficar tanto tempo longe.....

é simplesmente lindo.

beijo

Lord Broken Pottery disse...

Oi Van,
Bom rever-te inteira, apaixonada, depois desse tempo que o tempo me roubou. Claro que estava morrendo de saudades. Claro que vou tentar ser mais assíduo, visitar a amiga mais vezes, prometo tentar.
Beijo carinhoso

Luiz Cruz disse...

Adorável Van,
Feliz é o povo que tem Deus como Senhor.
Mil vezes feliz é o homem que tem Van como sua amada.
Beijos
Luiz

 
©2009 VAN FILOSOFIA! | by Van Luchiari