ARIADNE

UPDATE: O link pro SECRET LOVE já está certo. Desculpem a minha falha!
.

Na brisa dessa noite
No hálito do outono
que arrepia minha pele
que percorre o meu corpo
Adentro o teu labirinto
Nego a distância e o tempo
enfrento o desejo e o vento
Perco-me nos teus espaços
Em movimentos frenéticos
Debato-me em tuas paredes
Arranco-me tantos pedaços
Vou me despir nos teus braços.
Onde é que te escondes?
Onde é que eu te acho?

Uma confusão me invade
ao invadir tuas entranhas.
Entrego-me. Desvio-me.
Busco. Procuro-te.
Vou entrando profundamente
pelas tuas veias que me engolem
pela tua língua que me prova
pelas ruas tuas que me comem.
Ofereço-me às unhas que me cravam
ou as mãos que me seguram
E quase-sacio a minha vontade
nas verdades que eu invento.
Onde é o teu dentro?
Onde é o teu dentro?

Tropeço cambaleante
no labirinto dos sentimentos
Eu me quero mais perto
Eu te quero mais intenso.
Tuas fugas me embaraçam
Mesmo assim eu me entrelaço.
Só terei saída ao desvendar teu segredo.
Mas o teu labirinto é denso.
Onde é o teu centro?
Onde é o teu centro?

Por Van Luchiari ©
_______________________________________________________________________

* Segundo a mitologia grega, Ariadne (filha de Minos, rei de Creta) apaixona-se por Teseu que é mandado a Creta como sacrifício ao Minotauro - monstro metade homem, metade touro - que habitava um labirinto tão complexo que qualquer um que se aventurasse por ele e o adentrasse não conseguiria nunca mais sair, sendo devorado pelo Minotauro. Ariadne, desesperada com a sina de Teseu, dá ao amado um novelo de linha de ouro para que ele pudesse marcar o caminho e assim encontrar a saída. Teseu enfrenta o monstro e sai do labirinto, vitorioso, para viver o amor nos braços de Ariadne.
_______________________________________________________________________

Também tem poema no PSEUDO-POEMAS. Passe por lá! Vou adorar!

UPDATE:
New posts no INNER ME e no SECRET LOVE também.


17 MIL RECADINHOS:

Rui Carlo disse...

Meu centro é onde te encontras, meu centro é o meu norte, onde me finco e me parto de mim para ti
O meu centro és ti, que me hipnotizas pelo simples prazer de ser e de se saber central
Nem centro de consciencia
nem centro de gravidade
nem centro de coisa alguma
que não seja a verdade
de se sentir centrado
centralizado e disperso nas margens de mim mesmo

(PS: todos os poemas e comentários que faço, nunca os copio, portanto, se quiseres para ti - ô prepotência, desse pobre mortal à deusa das letras - podes copiar)

mundo azul disse...

Um poema forte...Gostei muito!
Beijos de carinho e muita luz...

Ricardo Rayol disse...

onde é teu centro,
onde é teu cetro.

Paulo R. Diesel disse...

É tudo mitologia. Se fosse hoje o próprio Teseu se perderia no labirinto e fugiria do monstro que talvez até ficasse com Ariadne.

Van disse...

RUI
Aff! Não sou deusa de coisa alguma.
kkkkkkkkk Não sou nada!
Aceito teus poemas todos, claro.
Guardo-os comigo, sempre.
Obrigada pelas palavras inspiradas.
Beijucas

ZELIA
Querida, você é tão iluminada!
Obrigada por estar sempre por aqui.
Adoro tuas visitas!

RICK
Amore, eu não tenho cetro.
Uia! kkkkkkkkkkkkkkkkkkk
Adorocê!

PAULO
É verdade. As coisas mudaram!!!
Nada mais é tão simples.
Mesmo assim, a boa e velha mitologia ainda nos ajuda a interpretar muitas coisas.
Mesmo que as pessoas e o mundo tenham mudado.
Beijucas

Flávia disse...

Sempre gostei desse hide-and-seek da paixão... nesses labirintos o prazer é perder-se para encontra-se entre beijos, abraços, afagos, suspiros, gemidos...

Ui.

Beijos!!

Van disse...

FLÁ
Twin, só não vale perder-se de vez!
Também gosto desses sentires da paixão.
Também gosto do encontrar.
Também gosto de ...... Uiiiis!

Beijucas

Ígor Andrade disse...

Onde é que te escondes?
Onde é que te acho?
Mudei minha noite hoje!

(preciso ler mais mitologia grega)

Beijo Van!

Van disse...

ÍGOR
Estou aqui!

Sunflower disse...

vc sabe que ele passa UMA noite de amor com ela, foge e ela se atira do precipício, né?

P. disse...

Van!
O fim é se encontrar no outro, né não?! Aí vira um começo lindo. O fim, o começo: eis o centro único, dele e dela.

ai...
suspiro infinito.

Meu beijo pra vc.

Van disse...

SUNFLOWER
Tô ligada, querida!
kkkkkkkkkkkkkkkkkkk
Mas escolhi não contar essa parte do mito. Deixar as pessoas acreditarem que o amor é possível... =))))))
O que rola depois do "E viveram felizes para sempre" é uma ooooutra história.
hehehe
Mas é f*** mesmo. Coitada da Ariadne. Tanto esforço pra.... nada!
Homens! Aff!
Beijuca lindona!

P.
Amore.... Lindo mesmo isso de se encontrar e se encontrar no outro e o centro ser o mesmo para os dois.... Quem ama está sempre começando, né? Que lindo isso!
Suspiros aos montes de volta....
Ai, ai....
Beijucas lindeza!

Tatá disse...

Amore,

Saudades de vir aqui.
Como sempre, você dando um banho de palavras mágicas e cheias de feitiços. Poxa, por que fiquei tão longe assim?
Perdi tanta coisa lindaaaa...mas vou ler tudo, tudo, tudo.
Ainda me pergunto onde está O MEU CENTRO.
Mas essa história de Ariadne é linda, não conhecia.

Beijão pra você.

tita coelho disse...

Uau Van...
Adorei mesmo essa... é aquela coisa que te falo, tua poesia tem vida movimento menina!
beijos

Van disse...

TATÁ
É verdade querida. Eu sinto falta mesmo de você por aqui.
Beijucas

TITA
Amore.... Obrigada!
Adorocê.
Beijucas

Sunflower disse...

Bom, estou voltando aqui porque pensei que meu comentário soou um pouco rude. Não sou rude, sério. Irônica, bobona, mas não rude.

Parte minha acha uma monstra sacanagem que depois de tudo o que ela fez, ele só comeu ela e saiu fora (mais uma vez eu digo mitos e contos de fada não são nada além da mais pura e cruel realidade). Mas eu gosto de pensar que ela sabia que podia ser assim , e assim mesmo ela escolheu isso, de ser amada brevemente do que nunca ter se sentido amada.

BeijAAAAAA

Van disse...

SUN
Não achei rude, fica tranquila. Mas mesmo que fosse, amore, aqui você pode tudo! Principalmente sentir!
kkkkkkkkkk

E os mitos realmente são impressionantes. Retratam as coisas tão bem, com tanta clareza... Basta sabermos ver. É isso que é tão mágico neles...

Mas depois o Teseu se fud** também, não foi?

 
©2009 VAN FILOSOFIA! | by Van Luchiari