CARTAS AO POETA - PRELÚDIO


UPDATE:
Tem post novo no SECRET LOVE. (Depois de ti)



Poeta,
Estás encantado? Porque eu estou. A música é para ti a mesma imensidão que é para mim? Porque sem música eu não vivo. Deixo de ser. Viro cinza. Fico gris. Ouça-me. Ouça-me mais. Ouça-me até virar cura, nunca castigo. Ouça-me como um unguento, banhando-te a face. Escorrendo prazeres pela alma. Ouça-me alívio e adormecer. Ou despertar.... Ah! Despertar nos teus versos. Fartar-me da tua poesia. Transbordar essa nova manhã que me invade. Dar-te o que em mim adormecia. Onde me achas? Meu palco, poeta, é a estrada. Vou onde precisam que eu vá. Vou onde existe uma luz disposta a me iluminar. Não tenho pouso certo. Minha voz alcança qualquer distância. Minha voz te alcança, poeta. Tu ouves? Do que mais tu precisas? Se tudo o que há em mim já te geme e sussurra? Diz. Do que mais tu precisas, poeta? - Pra mim um Jack Daniels por favor. Só uma pedrinha de gelo que é pra não me dominar o calor das tuas letras. Doces. Perigosas. Rompantes. E o meu escorrer também é delírio do teu gosto e dos teus lábios macios. Ah, poeta... Como fazer agora que tu existe e existem teus encantos e perdições? Perco-me definitivamente a cada verso teu. Cada palavra é tua mão enfiada em mim. E sempre e mais e desde. Sabes que estou nua em teus caminhos. Nem sei como era antes de saber-te, poeta. A vida invade meus olhos em tempestades inevitáveis. E eu nem desconfio quando será calmaria. Não sei mais dizer meus gritos sem os teus ouvidos, poeta. Nem cantar minhas vozes sem a tua boca. Nem sonhar meus gozos sem tua imagem fugidia, poeta. Teus textos ocultos, dispersos, espalhados aqui e ali... Pego-os com as mãos e a boca em doses sutis. Vou sorvendo lentamente numa suave intoxicação. Morro de inveja, morro de paixão, morro de ciúme, morro de vontade. Tuas letras escapam por entre meus dedos. Escorregam pelos meus pelos e poros. Pingam. Teus versos outros, distantes de mim pelo etéreo inspirar de um véu... eu os mastigo com gula. E nunca me sacio. Assim faço-os meus. Assim trago-te pra dentro. E teu existir entope minhas veias. Tuas palavras me dão fome, poeta. Sirva-me. Imploro-te! Mas não demore muito.
BeijosMeus.
SemParágrafos.
Reticências...

"Vou partir a geleira azul da solidão . E buscar a mão do mar .Me arrastar até o mar . Procurar o mar....."

Por Van Luchiari ©

15 MIL RECADINHOS:

MCI disse...

Oi, Van!
Passando apenas para sorver um pouco mais desta sua intrigante personalidade literária...
As palavras nos revelam mas as suas quase explodem.
Rs.
Acho isso fantástico.
Fascinante essa sua relação com o poeta.
Beijo para você.

Dan.

Alê Quites disse...

me soltar
cair
nos braços
do mar...

Boa semana! Beijos

Walter Rodrigues disse...

Nossa! de arrepiar a mente. Belo poema em prosa, asfixiante e sádico. Lembrou-me muito os versos de García Lorca. O texto inteiro tem um força expressiva impressionante.Parabéns, Van. Textos assim valem a pena a visita a um blog.

Ígor Andrade disse...

- Pra mim, cachaça e cerveja.
É o que estou precisando viu... enfim.
Estou atrasado na leitura do blog aqui, mas volto depois Van.
Abraço!

Edu Grabowski disse...

O blog ta muito lindo van!
quero aprnder a fazer igual!
=D ...rsrs

Que poeta sortudo!!! posso ter ciumes?! rsrsrs
Te adoro Van. Tudo que você escreve ou faz fica lindo. Mostra o quanto sua alma e pessoa são belas e que é sempre um grande presente ler você.

Beijo do amigo,
Edu.

Van disse...

DAN
Uau, moço! Quantos elogios! Obrigada por cada um deles. Beijucas

ALÊ
Caia, querida. Não tem nada melhor que isso! Beijucas

WALTER
Obrigada de montão, senhorito. =)
Adorei a visita e o comentário me deixou sem palavras. Beijucas

ÍGOR
Volta logo tá?
Beijucas

EDU
Amooooooreee, ciúmes do poeta? Não precisa, lindo. Você tb é um poeta de palavras doces e gentis. Um amigo que faz esse mundo virtual valer à pena. Lindo é vc, nenê.
Love u! Cê sabe!
Beijucas

Guizaum disse...

OPA!
Peraí Caceta!

Mudou tudo!! huauhhua

ficou dahora!

E ó ,quando for passar na minha casa, ve se deixa recado! pelo menos da primeira vez! huauhaauh

bjaum!

Mila disse...

É bom tem por quem suspirar... ca na Sibéria não sei o que é isso... me entrego ao sono e no sonho nada aparece...
Beijos Mila

Mélica disse...

Tá lindo tudo por aqui.. ótimos textos como sempre!!
Fazia um bom tempo que eu nao aparecia pq estava longe da blogosfera por um tempo, mas aos poucos vou voltando.. e para aqui tb! Um lindo dia pra ti! Beijoooos.

Van disse...

GUI
Ô céus! Já levei bronca também. kkkkkkkkkkkkkk Tô indo lá, querido.

MILA
Sai desse frio, muié! Vem aqui pra terra do calor. COração precisa de sol. Vem já pra cá! ;)
Beijucas

MÉLICA
Queridaaaaaaa, nossa que saudades de ti, moça! Que bom que está de volta. Beijucas.

Paulo R. Diesel disse...

Cartas a um poeta que escreve torto por linhas retas.
Foi o que encontrei.

Bj, Van

Van disse...

PAULO
Querido, quem escreve torto aqui sou eu. O poeta, jamais. Aprendo com ele sempre que posso.
Cê viu que tu é o meu maior "comentador"? Fiel. Sorte a minha.
Beijucas

Bill Falcão disse...

Hehehe!!!Li o post ouvindo música!
Bjoooooooooooo!!!!!!!!!!!

Paola disse...

Van, amei seu espaço redecorado. Lindo.

Poeta.
Ah! Os poetas. rs

beijos =**

Van disse...

BILL
Hmmmmm, fiquei curiosa. Que música???
=)))))))) Beijucas moço.

PAOLA
Ahhh, os poetas! ;)
Amoreca, tu apagou mesmo teu orkut! Snif! Sentirei tua falta.
Beijuca, bichinha querida.

 
©2009 VAN FILOSOFIA! | by Van Luchiari