BREATHING (Message in a bottle)


Eu me perdi.

Em algum lugar dentro do espaço descomunal que existe de uma ponta a outra da minha alma. Perdi o rumo. Desmemoriei os caminhos. É tão longa a estrada. Tão cheia de truques, ilusões, irrealidades, espelhos distorcidos. Debato-me nesse imenso vazio que me sobra e inunda quando eu fecho os olhos.
Não há janelas dentro de mim que tragam pra dentro a luz que eu sei que existe lá fora. Eu sei. Está fora do meu alcance por ora. Meu caminho é inverso. Disperso entre o que eu fui e o que eu me tornei. Consumi-me lentamente num inevitável e pesado desaparecer.
Eu me perdi.
Estico os desejos e os pensamentos como escapatórias mágicas. Nenhum lugar é seguro dentro de mim. Eu não posso simplesmente sair. No entanto pulso o que há de vida lá fora. Aprisionada nesse corpo que não encontra saídas, que não escorre pelos vidros quebrados dos quadros nas paredes. Que transforma os próprios dedos em inutilidades imprestáveis. Quebra os espaços restantes entre os mistérios e as respostas.
Eu me perdi.
Nada mais conheço do que um dia eu soube ser eu. Nada mais sei. Desaprendi-me. Vejo uma máscara de feições confusas tentando formar um rosto. Um pé, um fogo, um estalo, um sorriso, um engano, uma pegada, uma foto, uma sensação, uma canção... Tudo passa pelas minhas veias. Menos o fio que me libertará dessa catatonia. Eu vago por este lugar que eu chamo de mim. E as correntes que eu mesma criei gemem o grito que se forma: Let me out! Let me out!
Eu ali. Uma pausa nas coisas. Expectadora de mim. Perdida. Refém das minhas próprias armadilhas, das minhas próprias teias. Dos meus medos. Alma paralítica, desfalecida e nua. Suplicando suas metamorfoses, seus vôos.
Eu me perdi.
E o silêncio delatando meu pedido de socorro. Vagando no mar alto da minha alma em fúria, eis a garrafa. Eis o bilhete: Let me out! Let me out!
Tão vasta é a imensidão que vai de uma ponta a outra da minha alma que talvez eu nunca mais me encontre. Ou alguém encontre a mim com um amor assim inverso: Let me in! Let me in!


Por Van Luchiari ©

27 MIL RECADINHOS:

Aline Dias disse...

Linda foto, lindíssima. Parabéns.
Eu não sei ao certo, mas às vezes estou certa de que vivemos em um labirinto,perdido todo o tempo, mas sempre em frente.

Beijo, Guria!

Graça Pires disse...

Tantas vezes me perdi dentro de mim. Tantas vezes me encontri sem me esperar...
Bonita a foto. Bonito o texto. Um beijo Van.

Leticia disse...

Let me keep on here!
Lindona sempre intensa , sempre encantando com suas palavras.
Espero poder sempre estar por perto...amo!

Bjks

Anne disse...

Nossa, que foto mais linda, Van! Amei ela!!! Menina, e a gente nao vive nessa de se perder e se encontrar e passear nos labirintos aqui dentro? É coisa séria isso...rs.

Lindas palavras, como sempre!
Beijossss

Anônimo disse...

...y gracias a que te perdiste, yo pude encontrarte...y ahí andamos, juntos en mundos distantes, pero paralelos...;-))

LET ME OUT...
http://es.youtube.com/watch?v=SJed7AIY2xs

Dover...un grupo español que canta en inglés....FANTASTICO, VAN!

sifro

sifro disse...

¿anonimo?....NO, NO, SOY YOOO!!!!

...y gracias a que te perdiste, yo pude encontrarte...y ahí andamos, juntos en mundos distantes, pero paralelos...;-))

LET ME OUT...
http://es.youtube.com/watch?v=SJed7AIY2xs

Dover...un grupo español que canta en inglés....FANTASTICO, VAN!

Van disse...

ALINE
Lindeza, esse labirinto a que você se refere, somos nós mesmos! E como é complexo! Beijucas

GRAÇA
Poeta querida, que eu possa sempre me perder e me encontrar... Perder e encontrar... Aprender. Beijucas


Idem. Idem. Idem mil vezes. Te adoro moça querida! Beijucas

ANNEZINHA
Coisa seríssima! E é demais quando a gente encontra o nosso centro não é? E muito bom saber que tem gente que ajuda a gente a chegar lá! Em compensação, têm outras que nos desviam pros caminhos errados. Essas, a gente deixa pra trás. E seguimos com quem nos faz bem, com quem nos ama de verdade e com quem nos põe sempre (SEMPRE) em primeiro lugar, nos fazendo sentir especiais e pra cima! Força! O veneno já saiu. A cura vem rapidinho. E o teu centro também!
Tô aqui, amoreca.
Beijucas

SIG
Gracias!!!!! Que bom ter te encontrado em algum lugar, nos caminhos dentro de mim. Tão longe, tão perto. (Far away, so close!) Que bom. Que bom. My dear spanish.
Adoro-te. Saudades. Beijucas

June A disse...

Perder-se é a melhor forma de se encontrar...
Estranho mas é verdade.
Quando se esquece quem se é, os rotulos que se recebeu, os titulos com que foi presenteado. A liberdade de ser você mesmo chega. E a liberdade é confusa, pois nos tira do eixo, do conhecido, do conforto. A liberdade nos joga em alto mar, nas ondas bravias, nas tempestades, apenas para que descubramos que somos mais e podemos mais do que poderíamos sequer imaginar...
Perder-se é um presente, aproveita ele!!!!

Bjuxxxx

Van disse...

JUNE
Perder-se é um presente só e somente só, nós soubermos nos encontrar. Que eu saiba sempre perder-me para me reencontrar melhor. Beijucas sábia June.

João da Silva disse...

Maravilhosa... viajei do "conhece-te a ti mesmo" ao "torna-te o que és" numa fração de segundos.
Beijos carinhosos do João

Pavón disse...

Dentro de nós nenhum lugar é seguro, mas precisamos deixar pulsar a energia que clama pela claridão lá de fora... sei que ao abrir a porta seus olhos vão arder e teimar em nao abrir, porém é possivel caminhar sem ver onde está pisando. A vida é uma corda bamba, se olhar para baixo vc cai, talvez o segredo seja olhar para frente.... ou para o seu nariz, e seguir...rss

Beijos

Jota Fagner disse...

Lindo texto!

Adriano Queiroz disse...

Eu me perdi com vc agora.

Eu gosto de me perder, mas no meio do processo dá um frio na barriga, e o medo de não voltar? Mas uma coisa é certa: nunca voltamos o mesmos.

Abraços.

Van disse...

JOÃO
Bem-vindo querido. Que eu te proporcione ainda nuitas viagens dessas. Beijucas

PAVÓN
Viver é isso mesmo, nascer relutante e diariamente. Lindo isso que você escreveu. Concordo em gênero, número e NARIZ! Êêêê fixação nasal! kkkkkk
Beijucas

JOTA
Obrigada! =))))

ADRIANO
Perder-se é bom. Então, perca-se comigo sempre que quiser. Do jeito que você descreveu, me veio a imagem de uma gigantesca montanha-russa dentro da gente. O frio na barriga, os altos e baixos..... Interessante. Viajei!
Beijucas

Paulo R Diesel disse...

Sempre tem uma garrafa vagando na margem, trazendo bilhete para indicar o caminho, apesar dos labirintos que nós mesmos criamos.

Beijo Van

Antonio Ximenes disse...

Não importa quantas vezes nos percamos em nós mesmos.

Nossos próprios devaneios tortos nos cobrem em mistério e confusão.

O certo é que sempre alguém nos encontrará.

Abração pra ti.

Vâmvú disse...

Lindo texto, Van.
Como é necessário se perder de vez em quando...
Lembrei-me disso: "...não importa nossos caminhos tortuosos, perder-se algumas vezes e os rastros desfeitos no trajeto. Se acreditarmos neles como caminhos de nossos sonhos, então jamais voltaremos."
Bjs

matheus matheus disse...

toda filosofia é vã. toda filosofia é necessária.

Van disse...

PAULO
Sempre tem. Sempre tem.
Beijucas

ANTÔNIO
Estava com saudades de você. Que bom que apareceu. E sempre com comentários reflexivos e lindos. Beijucas

VAMVÚ
Lindo isso! De quem é? Eu acredito!!!! Beijucas

MATHEUS
Obrigada pela visita moço. ;) Bem-vindo! Beijucas

carteirodopoente disse...

van
obrigado pela visita
beijos
tadzio
p.s. belo blog

Van disse...

POENTE
Obrigada igualmente, querido. Se gostou, volte! Beijucas

Esther disse...

O que dizer de um blog extremamente bem feito e inspirado?!

Parece que tudo já foi dito, mas talvez ressaltar a doçura desse olhar felino que exala poesia...

e quem nunca se perdeu dentro de si mesmo que atire a primeira pedra..

texto belíssimo!!!



beijos poéticos,

Patrícia Lage disse...

Sabe?!
Eu me perdi também. E não faço a mínima idéia de onde eu estou. Às vezes tenho a plena certeza de que estou em algum canto da alma, como você cita, outras... ah, a alma se perde de mim-sem-endereço.

E sinceramente, pretendo não me achar tão cedo.

Vou-me buscando, percorrendo. Chegar ao teu blog é um meio de exercictar isso.

Meu beijo, bela.

Jana disse...

"Nenhum lugar é seguro dentro de mim".
Putz, texto fabuloso.
Gostei e me identifiquei.
Também vivo perdida por estas ruas, laterais ao meu próprio ser.

Um beijinho
:)

meus instantes e momentos disse...

voltando ao teu blog, gosto daqui.
gosto de te ler.
Parabens, ótimo teu blog.
Maurizio

Edu Grabowski disse...

Faz tempo que não passo aqui...
tempo tbm que não sentamos e conversamos...que não rimos... momento das pausa,s, abandonos, afastamentos..momentos, fases de nós mesmos... tempo dos tempos! espero que nos encontremos entre os tempos que andamos e fazemos nosso viver!
espero em linha reta ou curva encontrar vc e dizer Van vc é o eterno presente que ganhei dos céus! É assim que a vejo, é assim que a sinto. grande amiga q ganhei de presente dos céus!
Viagei nas suas fotos...quantas fotos!!! E mais uma constatação, ou seriam confetes misturados a chocolates e morangos (silêncio, edu! morango não pode falar!..rsrs!) Vc é LINDA!
adoro-te, amo-te linda amiga!
beijos deste seu amigo-fã,
Edu.

Van disse...

ESTHER
Que delícia de comentário, moça! Muuuuito obrigada. Vou lá te conhecer correndo! Espero que volte sempre por aqui. Pra ler, ver, ouvir.... A casa é sua. Beijucas

PATTY
Sempre tão lindo ler tudo o que vocÊ escreve. Adoro quando vc vem me ler. E ó.... se por acaso vocÊ se perder, estende a mão que eu te pego onde quer que esteja. Voce é uma raridade, querida. Beijucas

JANA
Todos nós nos perdemos vez ou outra.... E é tão bom quando encontramos o caminho, a saída... Acho que essa busca nunca tem fim. Porque os labirintos de dentro da gente são mutantes. As paredes e os caminhos mudam constantemente de lugar. É.... parece mesmo que não dá pra fugir de nós mesmos. O jeito é encarar. Beijucas lindona.

MAURIZIO
Obrigada, querido. Volte sempre que quiser. Será sempre bem-vindo. Beijucas

EDU
Querido, ando sumida mesmo.... A vida às vezes nos pede calma, paz, interiorização. Mas aos poucos eu estou voltando. Enquanto isso, sigo aprendendo. E aprender é sempre bom. Tô por aqui. Posso estar longe dos bate-papos da vida, mas estou sempre por aqui. Beijucas

 
©2009 VAN FILOSOFIA! | by Van Luchiari