TEXTURAS

UPDATE: E eu, bêbada de longitudes e impossibilidades, venho aqui comunicar aos que de repente pode ser que me lêem, que as coisa precisam de pausas. Que eu preciso de uma pausa. Uma pausa de breve, ou semi-breve pra saber quem eu sou, pra descobrir (desvendar) meus véus dessa eroticidade nua que eu tento dar-lhes. E um update alcoolizado desses só faz revelar mais ainda aquilo que eu quero esconder a todo custo: EU! Essa coisa estranha. Que sente. Que vive. Que transborda. E esconde o que realmente gostaria de escancarar pra vocês. Sem medo. Sem amarras. Sem dó. Eis-me. Um update nonsense sob efeito de "sei lá o quê" de cor exótica servido em copo de vidro - ideograma FELICIDADE ....... E um tanto de água de piscina pra potencializar o efeito de mim mesma sobre mim..... Pronto. Despejo-me. Desaguo. Deixo os arrependimentos pra ressaca de amanhã. Hoje apenas revelo-me assim, instantânea feito Polaroid. Delícia poder ser assim, fearless! Com essa toda coragem-risco-ímpeto que a vida me dá... Sacou? "Dias sim, dias não... Eu vou sobrevivendo sem um arranhão...!" .... Mentira. Tô toda arranhada. Sentir é assim. Fazer o quê?
Câmbio. Desligo.
Há uma aspereza ardida cutucando a parede
Ou a minha vida.
Há uma farpa afiada decalcando a pintura
Ou a minha coxa.
Um insistente fogo queima uma palha ao longe.
Estrelas crepitam fátuas e etéreis no tapete onde eu me deito.
As árvores lá fora despejam o seu perfume.
E o cheiro da noite é doce
Como o meu quando derrama-se em oferenda a ti
Como a tua saliva misturada à minha
Ou à minha carne.

As texturas dentro de mim são rústicas
Como os teus pelos roçando minha pele.
Algo me foge.
Algo volta a mim.
Num fluxo excitante vou formando as tuas curvas.
Livros vazios escrevem minhas histórias.
Canetas invisíveis arriscam e esboçam os meus traços fartos.
Desenho-me inteira na parede, na pintura, na noite
Ou em ti.

Eu te escrevo com o meu corpo.
Eu te trago com o meu gozo.
Num movimento erótico e penetrante
Mergulho na densidade dos teus instantes
Ou me perco.
Há em cada parte da minha pele um altar ao teu nome.
Assim sacio a minha fome.
Descrevo num suspiro o que o meu corpo pulsa.
Trancafiada nesse sonho de te ter mais fundo e perto
Ou eu morro
Ou desperto.

Por Van Luchiari ©
Foto - Van Luchiari

Visite também: Deu TILT no DiVAN e SECRET LOVE.
Espero vocês lá. ;)

12 MIL RECADINHOS:

FERNANDA & POEMAS disse...

QUERIDA VAN, BELÍSSIMA POSTAGEM... EU ADOREI AMIGA... UM ABRAÇO DE CARINHO E TERNURA,
FERNANDINHA

Mai disse...

Van, este é o teu alfabeto.

Texturas e sabores
precisas e ternas
um corpo que ama e sente a saudade e uma ausência?
É mesmo?
Mas entregaste o teu léxico. Tuas vírgulas e os pontos.
Então agora espera. Tudo está dito
e benditas as tuas palavras!

Beijos, querida.

Flávia disse...

Minhas alma.

Deu até uns calores por aqui. E as palavras estão todas embananadas porque esse texto é todo sinestesia pura, e como é que a gente disseca o que sente?!

Amei.

Um beijo!

Anônimo disse...

Nem sei o que dizer. Estou sem palavras. Melhor me recolher à minha insignificância ou simplesmente prostrar-me diante, em reverência, pois sei o que é belo!

Você conseguiu coisas de rara beleza nesse poema.

Zingador disse...

Estou sem ar. Pareço querer transbordar por aqui. Moça, cuidado com essa pólvora toda.
Abraço perfumado

Troll disse...

A morte, essa pequena morte do gozo, do clímax, da entrega ao prazer desse sonho tão intenso que nos toma. Tudo perde seu tempo, pq perde o controle. Tudo se torna essa união, essa junção de gemidos, gritos, suor, sangue e pele.

Quem seríamos, sem as pessoas capazes de nos trazer tamanho êxtase?

Zingador disse...

Minha querida Van, tem abraço perfumado e selo para você lá no meu blog.
Beijos

Van disse...

FERNANDA
Obrigada mais uma vez, querida! ;)
Beijucas

MAI
Bendito comentário! Uau! Amei! =))))
Beijucas, querida.

FLÁ
Não disseca. Incorpora. Sente. Vive. Goza. Bom né? Te amo, twin.
Beijucas

ANÔNIMO
Não! Não se recolha! Não és insignificante. Fique. Venha mais. Sempre. Adorei. Beijucas

ZINGADOR
Transborde.
E..... Buuuuuuuuuuuuuuuummmmm!
Ops, explodiu! kkkkkkkkkk
Beijucas, lindo.

TROLL
Seríamos infelizes, com certeza!
Belíssimo comentário, como sempre. Suas palavras sempre são um caso à parte! Beijucas querido.

Van disse...

ZINGADOR
Obaaaa! Vou lá ver, queridão. ;)
Beijucas Muitas!

Flávia disse...

HÃ?????

Péra, me explica esse update que eu tô bêbada de verdade e acho que não entendi...

Van disse...

FLÁ
Eu também escrevi quando estava de verdade, bêlbada, então, também tô tentando entender até agora!!!!!! kkkkkkkkkkkkk
Quando eu desvendar te conto no MSN.
Beijucas amor.

Ricky Bar disse...

Bom dia em poesia dum fã!


Lentamente,
as minhas mãos percorrem o teu corpo,
suaves, em calmaria
sabem de cor
os meandros do teu prazer!

Lentamente,
a minha boca aviva os teus sentidos,
quente,
o tempo para
para me sentires nos teus lábios
decifrando teu prazer

Bem devagar,
tremes num desejo sôfrego,
apaixonada,
liberta-se dos nós
numa fusão perfeita de nós dois!

 
©2009 VAN FILOSOFIA! | by Van Luchiari