PERDÃO!©

Foto by Van Luchiari - Veja mais AQUI!


I Still Haven´t Found What I´m Looking For - com Van Luchiari & Mahalîlla
Tanto que eu já quis desistir de mim. Desistir das palavras, das rimas, dos encontros, dos amores, dos pulsares, das entregas. Tanto que já esperei e desejei não mais esperar, não mais essa vontade de ser outra, de ser mais, menos, de ser algo além disso: esse nada que sou. Quis desistir até das catatonias e letargias... das pequenas mortes diárias que me assolaram por tempo demais.
Já pensei em desistir da coragem, da ousadia, das janelas abertas, do coração escancarado, dos espelhos intactos refletindo meus olhos.... dessa fragilidade que eu trago em mim, tão disfarçada de muralha, tão ilusória fortaleza. Sim. Já quis. Tanto tanto.
Já pensei em desaparecer, nunca mais ser vista, lida, ouvida. Tornar-me invisível. Tão invisível quanto me sinto tantas vezes. Evaporar, evanescer. Ah, como seria rápido. Ninguém notaria.
Sim. Já pensei em fechar todas as portas, asfixiar os desejos, trancafiar a intensidade e o erotismo do qual me acusam. Esse erotismo que tanto me alimenta mas confunde e mistura tudo aos olhos dos outros. Deixar de ser, de sentir, de estar aqui despejando imperfeições e rasuras em papéis, pincéis, imagens e telas ocas. Já pensei em não correr mais riscos, em não mais escrever, amar e nem deixar esse peito pulsante e insistente se apaixonar pelas coisas.
Já tantas vezes me vesti do luto da desistência. E sangrei os cacos, os espinhos, os erros, os punhais que me feriram e que enfiaram em mim. Sim! Já pensei que fosse mesmo descartável. Porque um dia me fizeram sentir assim. Um desperdício, perdido num abismo escuro e silencioso, num precipício onde os gritos não conhecem os ecos e onde a queda nunca tem fim.
Ainda às vezes penso em desistir. Das horas, dos dias, das letras, dos sons... das frestas abertas e da minha pele sempre exposta, suscetível, vulnerável. Ainda me assombra a dor de querer ir, de querer desistir de tudo, da minha arte e de mim. Eu: esse desacerto cuspido no mundo na hora errada. Sempre despercebido. Desastradamente deslocado e incorreto. Um avesso.
Ainda me ameaça essa sombra sussurrando em meu ouvido.
Mas rebelde que sou, diariamente obrigo-me a amanhecer. Pra não me perder de vez de mim. E quando abro os olhos, percebo: a janela escancarada denuncia a vida ainda luzente, ainda aberta, latejante... ainda aqui em mim. Uma réstia de luz, tremula e tímida encontrando uma abertura, uma fenda em meu leito... Como uma chama persistente crepitando seu decreto: "Silêncio! Silêncio que o dia vai nascer!"
Então conformo-me em continuar mais um pouco. - "Mais um, só mais um. Só mais esse." - eu penso. E obedeço ao instinto que me inunda. Sim, continuo...
E continuar é sempre essa frágil e delicada porcelana em minhas mãos.

Por Van Luchiari ©

Creative Commons License
Perdão! by Van Luchiari

21 MIL RECADINHOS:

tita coelho disse...

Adorei isso menina linda! :) Uma bela prosa!!!
Beijos!

Anônimo disse...

Bonito...
como tudo
o que é frágil.
E vive.

assim cada
um de nós, não?
cada um a seu modo.
cada um como pode.
quando pode.
o quanto pode.
achando os limites...
e perdendo eles,
pq é nosso tb,
isso de perder ou desafiar os limites. de sofrer com nossa fragilidade, mas não ter vergonha dela. e então mostrar a quem ainda
puder olhar, perceber, apreender. de um jeito, vc aqui me ensina. me ensina à distância. e talvez tb
me apre(e)nda. pelo menos
eu tento. como posso. todas as noites. todo os dias, como tu.

bjs/abraços
sorte e muita vida
pra ti. em tudo.

C.

Ricky Bar disse...

Não, não pare,
Solte o verbo, solte a língua...

Mai disse...

Van, fui ler os marcadores e consta: DESABA_fos...

Não combina contigo desabar mas a beleza do texto, sem dúvida, és tu.


Beijos,
Mai.

Ricardo Valente disse...

Sensação de estar no lugar errado, com um monte de bosta! Pensa você! Cheia de verdades e sem saber lidar com elas!

Paulo R. Diesel disse...

Belo texto Van.

ลndreia disse...

Todos nós já pensamos em desistir de alguma maneira... mas há sempre a mais mínima coisa que nos impede! *

Van disse...

TITA
Bela e triste, né amoreca? Acontece. ;) Beijucas

C.
Uma letra = Um mistério = Uma curiosidade (Minha) = Um comentário incrível (teu). Espero que da próxima vez (que tenham muitas próximas vezes) você deixe algum link ou rastro pra que eu te encontre e te aprenda.
Beijucas

RICK
Por ora, continuarei.... ;) Beijucas

MAI
Ah, querida. Desaguar acho que combina melhor. "Desaguafos". Invento palavras pra sobreviver. E me alimento das palavras bonitas e gentis que me deixam. As suas são fundamentais! Obrigada! Beijucas

RICARDO
Comoveu-me teu comentário. Deixou-me pensativa. Eu também não sei ainda como lidar com o que ele me causou. Mas foi forte. Beijucas

PAULO
Obrigada!

ANDREIA
E essa "mínima coisa" de repente torna-se GIGANTE!!!!!!! =) Obrigada pela visita, linda. Espero que voltes. Beijucas

Jackie Morais disse...

Van..... adorei!!!!!!!!!!!
Vc escreve muito bem....
Add seu blog no meu.... não sei se vc já viu o meu....
Boa sexta feira!!!!!!!
o Amanhecer nos obriga a continuar...

Van disse...

JACKIE
Já vi sim, lindeza! Adorei. Tu tá aqui também. ;) Obrigada querida. Beijucas

Nuno de Sousa disse...

Lindo amiga... a musica o que escreveste e só prova uma coisa tens ainda mto para nos dar com essas lindas mãos... continua assim a nos brindar com tuas escritas e fotografias.
Bjs em ti,
Nuno

Graça Pires disse...

Não desistas. É bom ser rebelde. Um beijo.

Auíri Au disse...

Todo dia é dia de se perder....
Voltar pra casa se encontrar, dormir, acordar e se perder de novo...
Adorei as palavras..
Beijos

Hélio Jorge Cordeiro disse...

Van, obrigado pela visita ao meu blog, dear.

O que está escrito em negrito, em seu Perdão!, já valeria a pena ler.
"Tanto que eu já quis desistir de mim.
Já pensei em desistir da coragem,
Sim. Já pensei em fechar todas as portas, asfixiar os desejos,
Sim! Já pensei que fosse mesmo descartável.
Eu:
Mas rebelde que sou, diariamente obrigo-me a amanhecer.
E continuar é sempre essa frágil e delicada porcelana em minhas mãos."
---------------------

Adorei ter visitado os seus pedacinhos, todos!
kisses
Hélio

D.Ramírez disse...

Acho q seu texto esta mais para sentir doq dizer algo.
É pleno, intenso..me faz penetrar nele a tal ponto q me faltam palavras..é ótimo.

Besos

Van disse...

NUNO
Querido, digo o mesmo de ti. Idem, idem, idem. Bom me cercar de talentos assim como o teu. Obrigada. Beijucas

GRAÇA
Tentando, poeta querida. Tentando...
Beijucas

AUÍRI
Por falar em voltar, que bom que voltou querido. Estava com saudades! Some não. Beijucas

HÉLIO
De pedacinho em pedacinho, vai-se descobrindo tudo. Continue por perto, querido. Adorei. Obrigada. Beijucas

RAMIREZ
Mergulhe nessa intensidade. Essa que eu tento, tento, tento negar, mas não consigo. Sinta! Sinta tudo, querido! Tuas palavras e tua presença só me fazem bem. Beijucas meu talentoso amigo.

iaiá disse...

fases...como a lua
essa da falta de coragem deve ser a minguante...
mas quase sempre estou na cheia ou na crescente...cheia de vontade e força...
acontece de tropeçar e cair..só querer dormir, desistir, quebara, mas a gente levanta e vai..bj

Naturline disse...

Fiquei muito satisfeito por perder o seu blog, agradeço muito o momento que passei para ler o seu blog.
Um afetuoso abraço.

NiNah disse...

Bonita, tem prêmio pra ti no meu blog. Vc merece!
Bjo

Maria Flor disse...

oi Vah

E por aqui ainda encontro a intensidade com que tu escreves como sempre!

adoro teu blog!

beijocas,

flor

Van disse...

IAIÁ
Certíssima. Belo comentário, querida. Beijucas

NATURLINE
Obrigada, querido. Seja bem-vindo sempre! Beijucas

NINAH
Lindeza, que delíciaaaaaa! Vou lá correndo ver! Brigada, brigada, brigada! =))))) Beijucas

MARIA FLOR
Flor, querida... Obrigada, moça! =) Que bom saber disso. QUe bom um comentário seu por aqui. ;) Adorei. Beijucas

 
©2009 VAN FILOSOFIA! | by Van Luchiari