SER

"As pessoas reais estão repletas de seres imaginários." (Graham Greene)

Out of this - Autamata

Eu já quis ser um elefante indiano. Não um de verdade, mas um daqueles cravejados de pedras coloridas preciosas, miçangas e canutilhos. A tromba sempre em pé. Um bem grande. Daqueles que colocamos com a bunda virada pra entrada que é pra dar sorte. Já quis ser um desses. Eu seria um elefante brilhante e feliz!
Eu já quis ser um girassol. Insistentemente nascendo da terra meio-seca. Crescendo rápido e sempre em direção à luz. Apontando as pétalas todas pro alto! Caule longo, firme, flexível. Um girassol feliz e exibido com toda a sua amarelice convencida!. Eu seria um girassol metido!
Eu já quis ser uma obra de arte rara num museu importante. Resguardada e vigiada como um tesouro! Um quadro enorme com tintas antigas e provavelmente misturadas à mão. Um quadro com alguma cor recentemente descoberta pela alma de algum gênio. Um quadro que tivesse sido pintado em meio a orgasmos e dor e angústia e paixão. Eu seria um quadro apaixonado!
Eu já quis ser uma escultura também. Esculpida por mãos eróticas e sensuais. Retirando de mim o que me prendesse e escondesse minha forma verdadeira. Uma escultura feita por um escultor atento e sensível que veria o que eu sou e o que existe debaixo da pedra bruta e atrapalhada e que fosse deslizando as mãos rudes e ásperas por mim até que eu me revelasse como eu realmente sou e estivesse completamente nua diante do meu artista-amante. Eu seria uma escultura deslumbrante!
Eu já quis ser uma gata. Provar da mobilidade e da falta total de medo de saltos. Poder cair em pé. Subir, escalar, pular por sobre os telhados. Gozar de sete vidas. Caçar borboletas e passarinhos. Ficar horas observando... E ganhar almofada e trato. Uma gata com seu mistério embutido e latente e seus olhos azuis e penetrantes. Eu seria um gata manhosa!
Eu já quis ser um saco de risadas. Porque risadas são fundamentais. Rir é sempre algo bom. Ser um saco de risadas combina comigo e me cairia muito bem. Uma simples apertadinha e voilá! Hahahahahaha hahahaha.... Risada instantânea. Use sem moderação. Eu seria um saco de risadas absurdo!
Eu já quis ser um mágico. Tirar coelhos das cartolas, aprender a arte do ilusionismo. Pra aprender minhas magias sem truques. E realizar meus encantos sem enganos. E criar as minhas ilusões imperfeitas. Eu seria um mágico surreal!
Eu já quis ser um perfume. Fresco, mas intenso. Leve. Não muito doce. Não muito feminino. Com um odor que fizesse as coisas amanhecerem e as pessoas caírem de amores. Isso! Um perfume de amor pra mim seria bom. Sempre dei valor a isso mesmo. Eu seria um perfume vivo!
Eu já quis ser um violoncelo. Ficar no meio das pernas de alguém, sendo acariciada com um arco macio num vai e vem delirante e erótico. Sentindo-me vibrar inteira com sons graves e profundos das cordas. Sons penetrantes, abusivos, invasivos, masturbatórios.... Musicais. Ahhh! A música! Esse deleite vital! Absolutamente delicioso! Talvez eu escolhesse ser um violoncelo pra sempre. Seria uma bela coisa pra ser até o fim dos meus dias. Eu seria um violoncelo constantemente extasiado!
Eu já quis ser uma janela de ferro de um velho casarão. Só pra poder me abrir e me deixar renovar e invadir pela vida. Eu seria uma janela sempre aberta!
Eu já quis ser um espelho de teto do quarto de um motel. Pra exercitar e incentivar o meu 'Voyeurismo'. Sem culpa. Sem censuras. Só prazer. Puro fetiche. Eu seria um espelho safado!
Eu já quis ser um livro de poesias. Intenso e rico. Provavelmente feito com papel reciclado e de capa dura o bastante pra que eu pudesse envelhecer intacta e segura! Eu seria um livro com conteúdo!
Eu já quis ser uma garrafa perdida no mar, com um bilhete de S.O.S. dentro. Enquanto não achasse o meu porto, a minha praia, ao menos conheceria o mundo.
Eu já quis ser uma tempestade. E cair com força sobre o mundo. Lavando tudo. Abrindo o dia. Libertando as estrelas.... Eu seria uma tempestade linda!
Eu já quis ser eu mesma. Essa que eu sou, adornada por tudo. E trazer em mim todo o resto que um dia eu quis ser.

Por Van Luchiari ©

Foto: Gustave Klimt

10 MIL RECADINHOS:

Ricky Bar disse...

A noite sob teu luar, deitei na areia da tua praia
Vc é tudo isso e muito mais

Monday disse...

eu já quis ser um simples microfone, para trocar palavras ao vivo, direto de mim pra ti ... rsss

Ricardo Valente disse...

Eu quero ser coisas boas, para te fazer feliz! Excelente texto, Van! Beijo!

NiNah disse...

Eu queria ser um livro com final feliz ou um filme pulando as partes chatas, obviamente. Bjo

Van disse...

RICK
Sou tantas coisas que nem me lembro mais... você tem razão. Há tanto aqui dentro de mim.... =) Beijucas

MONDAY
Hm... E o que te impede?
Beijucas

RICARDO
Já é, querido. =)

NINAH
Belas escolhas!!! =)))))
Adoro finais felizes!
Beijucas lindeza.

Gerinho da Terra disse...

Eu queria ser tantas coisas! Mas todas elas pra ser na verdade EU mesmo, só que:
mais forte;
mais decidido;
mais galante;
mais confiante;
mais confiável;
mais bonito;
Mas eu gostaria mesmo é ser mais feliz. Tanto, tanto que só seria possível se eu dividisse esta felicidade com uma mulher amada.
Beijo Van.
Mais um texto feliz.
FUI!!!!!

michelle cunha disse...

ser ou não ser?


queria acompanhar teu blog, mas ele não deixou!!!!!!

parabéns pelos escritos

Van disse...

GERINHO
Aos poucos seremos tudo isso que desejamos. ;)
Beijucas

MICHELLE
Não desista querida! Uma hora ele libera! Coisas de blogger. =))))) Obrigada pela visita. Beijucas

Viver é Bom ! ! ! disse...

Eu também já quis ser tanta coisa... e uma delas consegui : ser leitora de textos tão legais !!!
Amei.
Beijo !
Solange Maia

http://eucaliptosnajanela.blogspot.com

Van disse...

SOLANGE
Idem idem querida!
Você também escreve muito!
Beijucas

 
©2009 VAN FILOSOFIA! | by Van Luchiari