DILATADA ©

Meu querer-te se dilata........ assim preenche o espaço entre a tua vida e a minha. E te toca.©


São Tomé - 14 Bis


Vem...
Invada a janela que eu deixo aberta pra você. A noite me prepara para receber-te. Eu quase sinto a tua brisa ondulando delicadamente a cortina, eriçando e arrepiando meus poros. Umedecendo minhas línguas.
Eis-te aqui. Sinto-te. E tudo em mim dilata-se em espera.
E lateja em expectativas de receber-te inteiro. Tudo em mim te convida. Vem... Encontra-me antes do passado e transforma com teu desejo, o tempo em cofre aberto, escancarado.
Eu te espero lá, no começo de tudo, no princípio do mundo. Onde não existem bússolas. Onde tudo o que não é paixão anestesia e adormece.
E o universo todo se contrai no meu corpo.
O meu corpo... Faz dele o teu infinito e a tua morada.
Perco o chão, perco os sentidos. Entrego-me a ti. Olhos fechados... só o vento testemunha a alma devassada. E tuas mãos... tuas mãos enfiando os sentimentos em mim, provocando tremores.
A escuridão trêmula desmaiada em tuas unhas.
O vento acometido do teu cheiro intoxicante, inebriando meu escorrer. Ópio hipnotizante. O teu entrar pulsante desbravando meus vazios.
E o meu corpo dilatado... Dilatado em ti.
E o teu amor derramado em mim. Mudando minha rota para lugares que eu até então desconhecia. Mexendo no mecanismo dos meus ventos. Mergulhando profundamente em tudo o que eu sou. Denso. Teso. Inevitável e imenso feito tempestade em alto-mar.
Faz-me assim tão tua... E me prendes com tua fúria e tua beleza. Forte e rara! Minha pele exposta, sugada em redemoinhos pra dentro de ti. Meu amor assim, rasgado e egoísta, vai-te sorvendo e incorporando.
No fundo eu sabia que tu serias o meu abismo.
Mas nunca evitei deixar as janelas abertas. Porque também nunca soube como esquecer-te. Nunca soube como te arrancar de mim.
Deixei-me invadir pelos teus ecos, dedos, membros, ásperos, pelos e becos. Tornei-me fatalmente adicta do teu amor entorpecente. Irremediavelmente entregue.
Corpo e alma. Pele e êxtase. Eis-me.
D i l a t a d a ...


*Texto registrado na Biblioteca Nacional.
Todos os direitos reservados ©

Creative Commons License

DILATADA © by Van Luchiari is licensed
under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-
Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License

*Foto: Olhares. Edição e Efeitos: Van Luchiari

Visite também Deu TILT no DiVAN e SECRET LOVE (proibido para menores)


14 MIL RECADINHOS:

Paulo R. Diesel disse...

Neste vai e Vem o que fazer para completar o texto?

Gostei Van.
Muito bom

glória disse...

sempre resvala um tanto de nós quando o sentimento atua em doses altas. Nào existe bula indicativa de precauçòes que nos impeça de dilatar, de extrvasar para um além qualquer quando somos afetados. gostei daqui, voltarei, bjs

Valdemir Reis disse...

Olá Van estou passando neste maravilhoso espaço, que beleza de trabalho, confesso que é uma maravilha, bela publicação "Vem..." Belissima! Cada vez melhor! Muito bom estar aqui, quero convidar você para uma homenagem, com todo brilho e requinte, passa lá em; http://www.valdemireis.blogspot.com ou em; http:// www.valdemircantinhopaz.b...az.blogspot.com, vamos brindar juntos, temos postado um texto especial desenvolvido para você, quero na oportunidade entregar seu merecido “ PRÊMIO” , você conquistou, sim leve o seu e seja generoso distribuindo com seus os amigos. Vamos estender a festa... Hoje a festa é sua, venha já! Estou esperando você. Por isso considero a vida uma oportunidade impar. Cada pessoa que passa em nossa vida não passa sozinha, por ser única, deixa um pedaço de si e leva um pedaço de nós. Encontrar-nos-emos sempre por aqui. Muito Obrigadoooooooo... Por sua simpatia e amizade!!! Também quero desejar uma feliz e abençoada semana para toda família. Muitas bênçãos e brilho, sucesso, prosperidade, proteção e paz. Fique com Deus.
Volte sempre!
Valdemir Reis

Ricardo Valente disse...

Dilatada, para receber... Bjo, Van!

Luis Bento disse...

Dilatado de prazer!

Troll disse...

Uma entrega que entorpece os sentidos, pela intensidade. Um formigamento como se da perna após o longo tempo de muita pressão.

E assim, os músculos lactando esse torpor, quando esforço algum é grande o suficiente.

Van disse...

PAULONão é bem o texto que precisa ser completo. kkkkkkkkkkkkkkkkk Não sei o que fazer... Mas ainda descubro. Quem sabe escrevendo mais... Quem sabe.... Beijucas

GLÓRIASábias palavras, moça bonita! Não há mesmo nada que segure o sentimento... esse escorrer e transbordar de prazeres e palavras. Eu pelo menos não encontrei ainda uma maneira de fazer isso. Adorei a visita. Mesmo. Vou te visitar. Beijucas

Bárbara Stracke disse...

sensacional!!!

e a musiquinha agrada tbm.

bjz

Van disse...

VALDEMIRQuerido, muito obrigada pela visita. Passarei no teu canto pra ver o que foi que ganhei. ;) Beijucas

RICARDOIsso! =) Pra receber e pra dar tb.
Quid pro quo. Beijucas

LUISIsso é bom....... =))))) Nham nham.
Beijucas, querido.

TROLLUuuuuuuuuuuuiii! Uuuuuuuiiiii! Gostei heim? =)))) Seria isso um começo, um esboço daquele convite de ontem? ;) Beijucas amore.

Van disse...

BÁRBARAMoça querida...... Obrigada!
Eu adoro essa "musiquinha"! kkkkk
Tô devendo-te visitas, eu sei. Minha vida tava uma correria só. Agora acho que volta ao normal. ;) Passo pra te ler, lindeza. Beijucas

Geraldo Pinho disse...

Nossa, deu até um calor agora! Passei para agradecer a gentileza do comentário.

Van disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Van disse...

GERALDOEu que agradeço, moço. Por aqui é assim. Mesmo quando faz frio, há aquele calor de vulcão adormecido.
Beijucas

Teu disse...

Van, querida,

Vício a um amor não é vício, no sentido usual da palavra. É alimento que mantem-nos vivos. Lembre-se disso.

 
©2009 VAN FILOSOFIA! | by Van Luchiari