BANQUETE IMAGINÁRIO ©

Sabes ainda meu nome? Fome. De mim na tua vida. (Hilda Hilst)


Teardrops - Massive Attack

Primeiro houve a festa de encontrar-te, de olhar-te tão meu, tão perto, tão todo aqui. E a janela aberta denunciava a tempestade e atraía a tímida libélula com suas asas doces, encantada pela luz convidativa e impossível. A luz... Era de ti que vinha? + Depois a fúria de te amar e as tuas mãos e unhas e o chão onde me deitei, coberto de véus, notas e umidade. Coberto de ti. + Alma derramada. Partículas de gotas tuas. Estrelas cadentes da tua língua sulcando caminhos em mim. Minha carne estremecida e a tua imagem feito fogo queimando minha vida. + Meus olhos abriram-se e tudo foi meu. + Mensagens em garrafas e grãos e a noite, devorando os instantes, debatendo-se no meu corpo nu. Nu e apaixonado. + Veio o imaginário calar o eco. Veio o feitiço desfeito. Uma luz apagada gritou o desencanto. + O ar impregnou-se daquele cheiro ácido e difícil... Um rastro de solidão que fica depois do cio despejado. + Banquete imaginário. + Tanto que amei. Tanto me dei. Provei de um tudo. + A descoberta do que tu eras veio de encontro ao meu esperar mais antigo. + Teu amor me lambe, me teima. Teu amor me queima. Lentamente. Diário e constante. + Meus olhos se fecham. E no fim o que me completa é essa tua ausência tão cheia de nadas. Completude vazia depositada em minha boca. Gozo escorrido em desperdício de coxas. + No teu não-estar vive essa falta tão cheia de ti que mesmo sem te ver eu já sou inteira tua. + E tu que só chegastes agora já me fez desatino e pecado. + Cometo-os e te esqueço. E até o não te ter é em mim um prazer e uma festa!

Van Luchiari ©
*Texto registrado na Biblioteca Nacional.
Todos os direitos reservados ©

BANQUETE IMAGINÁRIO © by Van Luchiari is licensed under a
Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-
Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License

13 MIL RECADINHOS:

Mago Ykhro disse...

Onde reina a cor, vê-se uma flor.
Em branca pele de coxas, perfume de pétalas roxas.
.......
Beijos, minha musa.

Jester disse...

Nossa, essa postagem tá de+++, Van, querida !!! Cheia de estilo e de uma elegante angústia, se é que isso pode existir. Fora a coragem de sempre. Sou suspeito para comentar, pois acho que ela fala de um tema muito interessante para mim: determinadas "aspirações que, por um motivo ou outro, estão fadadas a não ser satisfeitas." Para um ser humano comum, tais "monstros" representam nada além de perigo, dor e sofrimento, mas nas mãos habilidosas de uma artista do seu nível, esses sentimentos viram deleite e emoção para quem os recebe com paixão.

rm disse...

Ei Van,
show de bola, nega!
E bon apetit...

Anônimo disse...

ver, tocar, sentir...


quando não se tem de fato

no ato

imagina-se então, como seria

ver tocar sentir


( outra visceral da van...)

abs

Joe Brazuca

( preguiça de logar...sorry...rsrs)

tita coelho disse...

Van...
As palavras se escorrem e desfiam todas as letras de tuas prosas. Um texto doce mas certeiro sabe?Adorei!
Beijos menina

Van disse...

MAGO
Virou poeta, definitivamente. =)))
Beijucas

JESTER
Depois disso tudo, depois de um comentário tão.... tão... tão.... como esse, o silêncio é o meu maior presente. Por dentro é tudo uma festa! Obrigada.
Beijucas

RM
Nham Nham... vou me fartar de ilusões.
Beijucas

JOE
A imaginação é uma arma poderosa! "Quando fantasio é quando sou mais sincero..."
Beijucas

TITA
=) VanClube total né amoreca? Sorte minha! =))))
Beijucas

Olhos de Folha Minha disse...

Apesar somos banquetes solitários e coração tão presente nas ausencias
Muito bom texto.Machuca doce a verdade nossa inteira...
ab

Jaya disse...

"E até o não te ter é em mim um prazer e uma festa."

Porque na verdade, mesmo sem que o outro se doe, a gente tem o que a gente escolher carregar, não?

Ah, moça! Teu espaço é lindo. E tua escrita? É uma coisa tão apetitosa, que dá vontade de querer esticar os textos, e depois lamber os lábios, como quem se sacia de um banquete deveras delicioso: em palavras.

Volto.

Beijos, e mais outros.

Hélio Jorge Cordeiro disse...

Tão pulsante que lateja o baixo ventre da gente. Tão incessante e quente que nos queima ao escorrer por entre nossos dentes e língua, quando nós lemos esta tua escrita, Van!
kisses

Tudo ou nada ... disse...

Adorei tudo que escreveu, a nova cara do blog, ou seja, continuo fã deste lugar.
Bjão

Caetano disse...

vc e sua capacidade de se entregar de corpo e alma. adoro isso!
seu blog ta lindo

beijão

Fernando R. Silva disse...

Vanzinha, seu site - porque isso não e mais um blogue - está lindo! Puta que pariu!

E o texto, musical como sempre, com aquelas coisas mosáicas que usa. E o erotismo sempre em voga em tua prosa. Essencial.

Mas ago abalou meu coração: "Veio o feitço desfeito. Uma luz apagada gritou o desencanto."

(Emotivo.)

Quase chorei na hora.

Mas diga, e o livro, é pra quando? Por favor, divulgação bombástica, hein. Comprarei o meu.

Beijocas e muitíssimos parabéns, Van!

fabior disse...

Uma festa de sabores,entorpe meus receptores agora após esta leitura,
qualquer linha a mais que eu digite
será redundante agora.

Muito show Van

 
©2009 VAN FILOSOFIA! | by Van Luchiari