ALQUIMIA ©

Querer-te é minha confissão silenciosa. E confesso: Amar-te é deixar-me.



Enough Love - Portishead


É assim...
Eu quase consigo quando fecho os olhos... Ter-te.
Num vislumbre de certezas que se dilatam e dissipam nas sombras dos meus olhos adormecidos e inquietos. Escuridão misteriosa onde te perco e encontro.
Mas é tão breve. Tão fugaz. Fugidio. Um delírio onírico perseguindo minhas noites feito Oroboro.
E eu fico ali pausada, estática, suspensa. Como se pudesse segurar o momento de te ter nas pupilas e assim de repente, desaparecer de uma vez do que eu sou, desaprender-me. Habitar o mundo onírico em que te vejo, encontro e toco.
Des-existir dessa realidade em que as distâncias aniquilam os caminhos imaginários até ti.
Desintegrar de mim esse impossível que ronda faminto o meu desejo. Virar força, alquimia, transmutação de nãos em sins. Aproximar o impossível das minhas mágicas.
E então atar meu futuro aos nós do teu destino.

Encontrar-te em cada canto, em cada tempo. Na curva daquela veia, nas ruas estreitas da cidade adormecida, nos camarotes vazios daquele velho teatro, no café aconchegante da esquina, na música que ouço e grita dos telhados, no reflexo do vidro da vitrine, no gramado molhado da chuva repentina, no cheiro do vento que inventa o teu cheiro, no som das tuas letras que me excitam, na melancolia do dia...
Transmutar essa latência que me queima e arde em peles macias e arrepios. Escorrer minhas palavras inteiras em teus poros, em tua vida, em tuas noites e teus sons.
Eu. Esse nada desaforado que arrisca todos os saltos. (Todos os saltos!)
Arrisca porque sabe que o amor é sustentação de asas no abismo. Porque sabe que existem teus braços a amparar o tempo e a queda.
E teus olhos... Ah, teus olhos que eu vejo quando os meus mergulham no silêncio. Olhos que reinventam tudo. Que desvendam furiosos e invasivos as minhas entrelinhas.
E eu imersa nesse devaneio de quase ter-te e de morar em teus passos. Um veemente erro de saber-te de repente aqui.
Logo eu que mal estou-me... Finjo que existo em ti.
Ponho-me a ser espelho. Reflexo. Essa que eu não conheço e que insiste em habitar meu corpo. Essa que me olha tão brilhante e ainda assim tão metade.
Porque depois de ti, tudo é metade em mim.

E sempre fica esse vazio a ser preenchido pelos teus rompantes, pelos teus chegares, pelos teus eretos.
E tudo me foge. Chão, umidade, boca, rima, som, rima, dedos, sexo, sonho.
E esse quase alcançar-te me arrebenta em armadilhas onde eu repetidamente caio.
É assim...
Eu quase consigo quando fecho os olhos... ter tudo isso. Ter-te.
Ou finjo que te existo só pra trilhar os atalhos até ti.

Onde foi que eu me meti?

Van Luchiari ©
*Texto registrado na Biblioteca Nacional.
Todos os direitos reservados ©

ALQUIMIA © by Van Luchiari is licensed under a
Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-
Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License

10 MIL RECADINHOS:

Marcos Vinícius Almeida disse...

Pois, bem. Fantasminha. Tenho que me dobrar a teu lirismo, e olha que não gosto de lirismos...

rm disse...

Para um medíocre cartesiano, acho que até gosto um pouco de magia...

(muito bom texto!)

ALLmirante disse...

Oi Van, belo quadro, como sempre. Identifiquei-me: ALL que mia.
Baci.

Paulo R. Diesel disse...

Quando o fim e o começo se encontram através do(s)meio(s) as armadilhas se desarmam e os abismos se esvaem.

Tays Briski disse...

E como não gostar dessas tuas palavras, se me soam sempre tão verdadeiras? E a pergunta no final, muito oportuna e pertinente, perfeita, como sempre. Obrigada por nos presentear com suas palavras, com sua voz doce ;oP Beijos amiga.

bia martins disse...

sempre bom vir aqui! ^^

tita coelho disse...

Impecável... Uma obra menina :)
"E teus olhos... Ah, teus olhos que eu vejo quando os meus mergulham no silêncio. Olhos que reinventam tudo. Que desvendam furiosos e invasivos as minhas entrelinhas." Ficou demais :)
Beijos

Van disse...

MARQUINHO
O lirismo, quando dobra alguém, torna-se ainda mais delicioso. ;) Beijucas

RM
Ahh que lindo! =) Viver é fazer mágica, como disse Guimarães Rosa. Ele sabia das coisas. ;) Beijuca, querido.

ALL
Oi sumido! Adorei o trocadilho! =)))) Beijucas

PAULO
É o Oroboro... Obrigada. ;) Beijuca

Van disse...

TAYS
Obaaaa! Comentário seu por aqui. Que delícia! =) Adorei. Obrigada, moça querida. Beijuca

BIA
Sempre bom receber-te, lindeza. ;)

TITA
Adoro! Você sabe!
;) Beijucas

Ofeliazinha disse...

Linda musica.

 
©2009 VAN FILOSOFIA! | by Van Luchiari