DOS JARDINS EM NÓS ©


Latika's Theme - (A.R.Rahman Ft. Suzanne D'Mello)


Era somente uma rosa em meio ao imenso jardim. Perdida, ensimesmada.
Somente uma rosa encarnada, vermelha... Vermelho-sangue correndo nas veias feito seiva.
E dentro das veias, cultivava asas. Cultivava-as bem ali ao lado dos espinhos defensivos que a protegiam e a separavam de tudo o que a pudesse ferir. (É assim: pra não nos ferirmos, criamos armas cortantes e nem percebemos que tanta defesa também nos fere mortalmente.)
Ela sabia que não podia voar, mesmo assim cuidava de ter asas. Asas que tão delicada e cuidadosamente ela alimentava.
E deu às suas asas força, suavidade, leveza... Para que nunca lhe acusassem de não saber sonhar. Porque isso ela sabia bem.
Ela, aquela rosa absurda... Aquela rosa-casulo.
Uma rosa quase-crisálida, tão introspectiva que os passantes (e o mundo) nem notavam.
Uma rosa invisível.
Invisível, mas com aquelas asas aflitas galopando dentro das veias, irrigando furiosamente as pétalas, intumescendo caule-corpo, desbravando tudo... Asas alçando voos impossíveis. Voos enraizados. Interiorizados, distantes, companheiros.
Era apenas uma rosa em meio às intempéries do existir. Mas tinha asas. E tinha sonhos.
"Um dia - pensava ela - um dia não haverá mais nada, nenhuma raiz a me separar da vida. Nada irá me prender a mim." E então o vento seria o destino, atrevido, despindo sua sina.
Era uma rosa. Por isso era imensa.
Dentro dela, no lugar do coração habitavam asas vermelho-pulsante. Asas de fazer folias de esperas para a vida vindoura. Uma rosa impossível. Uma rosa esfíngica... que era, toda ela, resposta.
Sim. Era apenas uma rosa em meio ao imenso jardim. Guardando esperas, exalando quimeras, preparando voos. Apenas uma rosa com aquele existir latejante dentro e fora dela.
Uma rosa com um segredo.
Uma rosa com asas.


Van Luchiari ©
*Texto registrado na Biblioteca Nacional.
Todos os direitos reservados ©

DOS JARDINS EM NÓS© by Van Luchiari is licensed under a
Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-
Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License

14 MIL RECADINHOS:

Van disse...

Comentários serão bem-vindos!
Faça um blogueiro feliz: comente!

Beijuca

Joe_Brazuca disse...


lindíssima sua ros'alada !

todos nós seremos uma , um dia...

não ha como escapar...

um beijo, Van !

Joe

Menina Misteriosa disse...

Maravilhoso!
Eu passei muito tempo cultivando os espinhos, me defendendo, tentando me proteger... hoje, penso mais nas minhas asas...
Uma delícia vir te ler!
Boa semana,
Beijos

Jester disse...

Rosas são assim, belezas envoltas em mistérios e perigos. Pura fascinação. Texto lindo e perigoso, como uma rosa, a mais delicada de todas.
Beijo, Van! Muito bom vir aqui.

tita coelho disse...

Van,
Tu voltou com tudo. "(É assim: pra não nos ferirmos, criamos armas cortantes e nem percebemos que tanta defesa também nos fere mortalmente.)" - Quantas vezes não fazemos isso né? Nos defender antes de qualquer coisa?
Belo texto menina... E só tu para descrever segredos e desejos de uma rosa. Lindo! :)
Beijos menina

Regina disse...

Difícil comentar um texto que por ser muito bom, se basta em si mesmo.

Parabéns...

iaiá disse...

às vezes uma rosa é tudo!
bj

Ricardo Valente disse...

muito bonito... você anda sumida... atarefada? houve algo?
beijo!

Única e Exclusiva disse...

Eu tenho uma rosa dessa dentro de mim: vermelho pulsante. Criei asas e está em ponto de voar. Me vi no texto. Sensibilidade impressionante. Mexe. Toca. Chora. Abre sorrisos. É assim que seus textos se transformam... em vida!

Bjos ú&e ;*

Van disse...

JOE
Escapar? Nem quero!
Beijuca, Joe.

MENINA
Ah querida... que tuas asas te levem então, pra longe dos espinhos!
=)))

Van disse...

JESTER
Dá-me beleza. Dá-me delicadeza. Dá-me perigo. Dá-me mistérios...
Dá-me! =)))
Adoro-te, moço.
Beijuca

Van disse...

TITA
"Pra não dizer que não falei das flores" né amoreca? ;) Beijucas e obrigada, como sempre! =)))

REGINA
Obrigada pela visita, moça! =)))
Venha sempre e sinta-se em casa!
;)

IAIÁ
Néam? ;) E são lindas!
Beijuca, lindeza.

Van disse...

RICARDO
Querido, tantas coisas... tantas coisas... Faço minhas as palavras do Lenine: "Mesmo quando tudo pede um pouco mais de calma, até quando o corpo pede um pouco mais de alma, a vida não para!"... Mas pretendo agora estar presente, voltar com tudo. Dedicar-me ao blog e consequentemente a mim também. Estar em mim novamente.
Saudades de tudo.
Obrigada por estar por aqui.
Beijucas

Van disse...

ÚNICA
Teu comentário é tão... tão único e especial que só me resta agradecer!
Voe! Voe! Voe alto, moça alada!
Obrigada, querida.

 
©2009 VAN FILOSOFIA! | by Van Luchiari