CONFISSÃO ©

Confessar é desnudar-se.

Foto by Van Luchiari (Veja mais aqui)


Em silêncio. Porque toda confissão precisa de silêncios.



Confesso:
Uma alegria finge que me habita.
Faz que entra pelos meus poros e engana minhas veias. Descontroladamente invade meu corpo e minhas entranhas em busca de sinais de que ainda há vida em mim. Porque em algum ponto dentro do meu existir mora um sorriso. Eu sei. E eu sei porque ele me queima. E quando queima, brilha.
Talvez isso transpareça nos meus olhos e se tu prestares bastante atenção, verás. (Vês?)
Uma alegria teimosa percorre meus desejos procurando caminhos e pulsares, fechando as portas pra que nada mais me escape e eu não me esvazie completamente. (O perigo do vazio é que ele anestesia a vontade.)
Vou fingindo que acredito nela. Na alegria. Componho poemas, escrevo besteiras, banho-me de incompletudes, acordo madrugadas, invento sorrisos, entrego voares, ensaio algum amor abafado... Distraio a minha dor dando de sorrir aos outros...
Aos outros me deixo. Entrego felicidades em pequenas gotas diárias, essências de mim que guardo com cuidado debaixo da pele. E minha pele respira. E quando respira é quase feliz.
Finjo. Finjo que está tudo bem. E quando quase acredito na ilusão que inventei, a verdade me sangra de novo. (Toda verdade sangra de alguma forma.) Sinto-me em um estado de quase-vida. Anestesiada e vazia. Um oco devorando tudo o que eu sou. Basta uma distração e lá vem a tristeza me dilacerar novamente. Parece que vigia, sorrateira.
Mesmo assim, vou distraindo e encantando a alegria para que ela não desista de mim.
Ao fim de tudo, meu fingimento é o que me salva e preserva.
Finjo eu - que estou feliz. Finge a alegria - que me habita.
E em mim tudo o que resta pede e grita:

Alegria, seja mais forte. Seja mais forte que eu!

Van Luchiari ©
*Texto registrado na Biblioteca Nacional.
Todos os direitos reservados ©

CONFISSÃO © by Van Luchiari is licensed under a
Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-
Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License

20 MIL RECADINHOS:

only_LF disse...

Fico impressionado com a facilidade que a Van transforma sentimentos em palavras.

Torço que um dia essa alegria invada sua vida, pare de fingir, e te habite de verdade.

do seu fã

@marianatf disse...

Lindo, lindo texto.

E uso as palavras do @only_LF: "Torço que um dia essa alegria invada sua vida, pare de fingir, e te habite de verdade."

Parabéns pelo dom! :)

samuelvigiano disse...

Formidável texto...
Transcreve perfeitamente a grande batalha que há entre a tristeza e a alegria e você é o palco desta guerra... Mas sei, sempre soube, que a alegria é mais forte...

Parabéns..
Beijão

@SamuelVigiano

Malice Miller disse...

Obrigada pelas pequenas gotas de felicidade que derramas diariamente sobre nós...
Bjs!

serg disse...

queria ter só um pouquinho da inteligência e sensibilidade desta menina..perfeita

pitombo disse...

Van...hj eu chorei tanto, por tudo isso que suas palavras tão bem expressam...o mundo gira e nem tudo gira com gostariamos e mesmo assim ainda sorrimos mesmo estando feridos...

obrigada,por confessar com tanta beleza, confesso, então junto contigo... :)

Pattricia

uhugalera disse...

Hi, Vanluchi...

Quando eu digo que me apaixono cada vez mais, ao ler estas coisas, você duvida...

Que lindo texto, gata!

[]'s @inaciorolim

Paulo R. Diesel disse...

Se pudessemos controlar com palavras todas as nossas ações e nossos desejos seria uma maravilha.

Beijo Van

Tays Briski disse...

Acho que em alguma etapa da vida nos deparamos com isso, eu finjo e vc acredita... apesar de doloroso, faz parte. Em breve teremos aqui um escrito de alegria incontida, que de tão incontida, transborda ;o) tenho certeza disso. Tuas palavras me inspiram... Beijocas ;oP

POETA E/OU LOUCO disse...

A hipocrisia não é apenas uma palavra, ela existe mesmo para ser usada. Já as outras palavras, usam-nos para dizer o que querem. E o que é que não se quis dizer?

Kelton Actis disse...

Adorei o texto, Van!

=D

Paulo Fodra disse...

A pele pulsa sobre pressão. Por baixo da pele, tudo queima. E se transforma. Cada lágrima que derramas é nova, e renova todo o sentido. Aos poucos verás, por trás do espelho, que não choras mais o que pensavas que chorava. Um novo ciclo lunar...

Cíntia Thomé, Jornalista, Escritora e Poeta . - disse...

Nos enganamos, somos assim dpois de algum tempo, somos fingidores mesmo...assim tentamos obter felicidade com isso sem o mundo lá fora....

Gostei dos teus textos
Cintia Thomé abs

Juca Ajamil disse...

Desculpe os tabuísmos, Van, mas às vezes só consigo me expressar com eles...

Caralho, que texto! Que palavras são essas? Parece que as escreveu sob encomenda pra mim...
Às vezes penso que sei traduzir em palavras o que sinto, mas aí encontro pessoas fodas como você.

Magnífico. É o adjetivo que me vem à mente.

Beijos!

[ rod ] ® disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
[ rod ] ® disse...

Confesso que te ler faz-me refletir. Talvez por que lê-la agora ouvindo TUA remete-me a um tempo onde o pensar estava bem mais coerente, bem mais em equilíbrio... Finjo e por ele sou fingido. O sentimento é fugaz. Bjs moça

Troll disse...

Não vale apenas fingir, é preciso viver.

Mas, só de vez em quando, quase de brincadeira, fingir tbm ajuda um bocado a esquecer e a rir.

Jester disse...

Seek and you shall find it. Belos sorrisos, dear Van!

Antonio Sávio disse...

Oi moça. Genial seu texto. Gosto do modo que escreves e a magia que faz isso deixa o leitor viciado em suas palavras. Parabéns.

Gabriel disse...

muito bom ler voce novamente...muito bom...

 
©2009 VAN FILOSOFIA! | by Van Luchiari