CHOVER-ME©

Ouves?

George Segal - Nude on Couch


Times Like These (Foo Fighters)


O amor não é mais para mim?

Não sei. Eu devo ter ficado seca depois que o teu amor me sugou e me abandonou, partida, no caminho. Era tudo diferente quando o teu amor era em mim. Hoje só vejo escoar desertos dos teus olhos. E nas tuas palavras um tipo de crueldade velada que fere feito farpa. Um rancor disfarçado de desejo ou carinho. E dói. E me põe esse medo, essa distância nas veias.
Preciso dar-me o direito de um amor úmido e fresco como costumava existir em mim antes de eu ter conhecido a tua frieza ressecada e estéril.
Preciso de um amor que escorra paixão e entrega pelas coxas, pelos poros, pelos olhos, pela boca... e que caia em mim feito tempestade, molhando a vida e as frestas.
Um amor imerso feito mergulho. Um amor que me faça chover novamente.
Um amor que arrebente tudo em busca de mim e do que eu sou. Porque sou muito.
Faço esses silêncios de solitude quando vejo o quão longe fiquei de mim e desse amor intenso, alívio, inabalável, invencível.
Cansei de amores volúveis que nunca completam nem frases, nem caminhos, nem amares. Ficam por aí, pousando na superfície de tudo. Rápidos, insignificantes, poucos.
Cansei de metades. Elas me secam e eu não gosto de estar seca. Gosto de tempestades, de quem sabe chover.
De quem sabe abrir-se feito luz quando ama.
Não. Não quero esse amor genérico que vejo espalhado por aí. Não quero. Porque nada em mim é genérico e eu sempre transbordo-me quando amo.
Quero quem me tire desse estado de não-paixão, absorto em letargias de sub-vidas. Quem saiba o que é amar inteiro e me dê isso. Quero quem me veja como esses inteiros que trago nas mãos, prontos a explodir o mundo, virar tudo em êxtases.
Porque meu amor ama assim.
Dar-me menos que isso é secar-me.
Exijo imensidões. Porque sou imensa.
Ou ...

o amor não é mais para mim?




Van Luchiari ©
*Texto registrado na Biblioteca Nacional.
Todos os direitos reservados ©

CHOVER-ME© by Van Luchiari is licensed under a
Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-
Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License

18 MIL RECADINHOS:

Ricardo Jorge disse...

Adorei o texto, me vi completamente dentro dele. Você sempre fantástica, parabéns princesa.

Emerson Donizeti Batista disse...

Parabéns!
Texto íntimo, úmido de chuva refestelante e poética. Mas o amor é mesmo assim, e por ser indefinível, deixa-nos sozinhos com a aridez das nossas palavras.

Mariana disse...

Quero previsão de chuva na minha vida.cada vez mais fã!Perfeito.Tem certeza de que tu é humana?
Vai além da poesia...beijos

Alessandro Pierre disse...

Van Luchiari.. Tão intensa..
De alma infinita. O que não cabe no corpo, escorre em poesia...
Obrigado por chover em nós...

Madalena disse...

Se não houvesse amor, haveria este texto, estas palavras?
Quanto amor li!Amor em ti...

EAD/JOYCE disse...

Amiga, vc é puro amor, são as pessoas assim que sofrem pq são sensíveis, tb quero esse amor pra mim. bjs, querida.

Ruy Barros disse...

O Amor... porque será que ele parece sempre andar dois passos à nossa frente?
Será que ele não percebe que assim, nunca o alcançaremos?

Juca Ajamil disse...

Triste pensar que logo nós, que nascemos com corações de carne (e não de pedra) não encontramos mais um amor de verdade, do tipo que satisfaz. Porque todos os outros -enlatados, instantâneos, genéricos- não nos cabem nem nos merecem.

O amor, esse 'globalizado', definitivamente não é para nós.
Por isso, um trocadilho: 'antes só do que mal apaixonado'.

Beijos, Van!

giselle disse...

A única coisa que posso dizer: quero me molhar assim! chover-me assim!

Fantástico, como sempre,

Lindo, Van Luchiari

Beijos,

Giselle Zamboni

..::denise::.. disse...

De tirar o fôlego "Preciso de um amor que escorra paixão e entrega pelas coxas,pelos poros, pelos olhos, pela boca... e que caia em mim feito tempestade, molhaando a vida e as frestas" #Maravilhoso.

Rita Schultz disse...

Os anjos quedam por falta do amor. Sejamos então, o próprio amor! Que nos transfiguremos. Que nos deixemos trespassar pelo gozo do prazer e do êxtase.
A alma que procura é pura poesia. É liga do mais puro ouro.
A mulher que ama é dor física, é deleite, é batalha desleal.
É insano amar assim. Mas é assim que uma mulher ama!
Onde estará o deus que nós tanto procuramos?
Beijos, querida Van.

Jefferson disse...

Fico eu a me perguntar, até aonde
vai esta tua imensidão? Onde escondes tua infinitude? Será despois do horizonte? Se for, quero ir até lá e mergulhar neste teu infinito de palavras.
Adoro-te ler.

Beijos!!!

Manuel Pintor disse...

De tão intenso
amor imenso
amar insano
jorram as palavras
feridas
abertas feitas luz
exigindo frases completas

Que venha, pois, a tempestade
e chova
e escorra a paixão húmida
para além da pele
fecunde fundo
e desague em êxtase
explodindo o mundo

Musa disse...

Gostei da analogia, a chuva faz florescer...

Lindo texto! Também quero um amor que me faça chover...

Fau_F - Twitter

Fau Ferreira

drluiz disse...

QUEM ESCREVE O QUE EU ACABO DE LER, JAMAIS TERÁ UMA EXISTENCIA RESSECADA.
AINDA QUE ALGUM AMOR SUGUE A TUA ESSENCIA, OS TEUS FLUIDOS SE RENOVARÃO POIS A ESSENCIA VITAL QUE TE FAZ TRANSBORDAR, EXTRAVASAR E SE DOAR PROVÉM DE UMA ALMA QUE É IMORTAL, TÃO IMORTAL COMO ESSE AMOR QUE TE ACALENTA E INCENDEIA ...
NÃO HÁ SEQUIDÃO NEM ESTIAGEM EM QUEM TEM TANTO AMOR E TANTA VONTADE DE VIVER, DE DESPIR - SE PERANTE A PESSOA AMADA E DE ENTREGAR - LHE OS SEUS AFETOS.
IMORTAL É O AMOR E A CHAMA QUE FAZ ARDER O CORAÇÃO E FUSTIGA A CARNE COMO UM CHICOTE, E DEVE SER VIVENCIADO DE FORMA PLENA ENQUANTO DURE, POIS DA VIDA NADA SE LEVA, POIS TUDO É PASSAGEIRO, TANTO A ALEGRIA COMO AS TRISTEZAS.

@DRLUIZSANTANNA

André BraNun disse...

Perfeito, querida frente quente e úmida...

Beijo molhado.

BSP disse...

Saudações, Van.

O que eu sinto ao ler sua criatividade é algo difícil de traduzir em palavras digitadas em comentário; eu não tenho essa vocação nata, no trato com as expressões, como sua inteligência tem.

Van como és envolvente na tua obra!
Apreciei:...gosto de tempestades, de quem sabe chover. De quem sabe abrir-se feito luz quando ama...

Vou ler outras vezes. É como música que marca.

Abraços e saúde.

Jairo Cerqueira disse...

A coragem de não contentar-se com pouco, é... certamente, privilégio de poucos. Seu texto demonstra uma transcendência que deveria ser assecível à todos aqueles que vivem oprimidos pela concepção do amor pré estabelecido.
Belo post.
Um abraço!

 
©2009 VAN FILOSOFIA! | by Van Luchiari