CHOVER-ME

Ouves?


George Segal - Nude on Couch


Times Like These (Foo Fighters)



O amor não é mais para mim?

Não sei. Eu devo ter ficado seca depois que o teu amor me sugou e me abandonou, partida, no caminho. Era tudo diferente quando o teu amor era em mim. Hoje só vejo escoar desertos dos teus olhos. E nas tuas palavras um tipo de crueldade velada que fere feito farpa. Um rancor disfarçado de desejo ou carinho. E dói. E me põe esse medo, essa distância nas veias.
Preciso dar-me o direito de um amor úmido e fresco como costumava existir em mim antes de eu ter conhecido a tua frieza ressecada e estéril.
Preciso de um amor que escorra paixão e entrega pelas coxas, pelos poros, pelos olhos, pela boca... e que caia em mim feito tempestade, molhando a vida e as frestas.
Um amor imerso feito mergulho. Um amor que me faça chover novamente.
Um amor que arrebente tudo em busca de mim e do que eu sou. Porque sou muito.
Faço esses silêncios de solitude quando vejo o quão longe fiquei de mim e desse amor intenso, alívio, inabalável, invencível.
Cansei de amores volúveis que nunca completam nem frases, nem caminhos, nem amares. Ficam por aí, pousando na superfície de tudo. Rápidos, insignificantes, poucos.
Cansei de metades. Elas me secam e eu não gosto de estar seca. Gosto de tempestades, de quem sabe chover.
De quem sabe abrir-se feito luz quando ama.
Não. Não quero esse amor genérico que vejo espalhado por aí. Não quero. Porque nada em mim é genérico e eu sempre transbordo-me quando amo.
Quero quem me tire desse estado de não-paixão, absorto em letargias de sub-vidas. Quem saiba o que é amar inteiro e me dê isso. Quero quem me veja como esses inteiros que trago nas mãos, prontos a explodir o mundo, virar tudo em êxtases.
Porque meu amor ama assim.
Dar-me menos que isso é secar-me.
Exijo imensidões. Porque sou imensa.
Ou ... 

o amor não é mais para mim?



#vanluchiari

Van Luchiari ©
*Texto registrado na Biblioteca Nacional.
Todos os direitos reservados ©

CHOVER-ME© by Van Luchiari is licensed under a
Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-
Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License




5 MIL RECADINHOS:

Manuel Pintor disse...

amar é sentir se inteira
cada parte que em vida se reparte

Ser em construção disse...

Amar é para quem entende a delícia
de amar.
Seja como for.
Só pra constar rs.
beijos.

Ivo disse...

A FITA E O FIO


Não há
uma história
mais bonita

que o amor do cabelo
pelo laço de fita.
(Ivo)

Toninho Moura disse...

Amar aqui e agora. O amor de ontem passou. O amor de amanhã? Amanhã.

APENAS PALAVRAS disse...

Enquanto houve mentes brilhantes como a sua a qual posta coisas maravilhosas haverá sempre um balde de gelo no qual poderá com poucas ou muitas palavras expor seja lá como for aquilo que sua linha da imaginação possa ela crias sempre estará parte daquilo que és daquilo que nos revela numa simples imagem assim como ti na sua mais pura simplicidade de mulher que és no intimo que fora criada posta sempre algo referenciando a fragelidade a força e as virtudes da mulher naquilo que és mulher. Obrigada linda por fazer o mesmo retribuindo de bom grado minha visita no seu blog o qual já esta em meus favoritos guardado com muito carinho em meu coração.... Jamais a questionarei por que não a o que questionar tudo é perfeito e feito de uma tamanha magnitude que são meramente expressas de uma maneira tão suave e simples como se escrevesse cada palavra e cada linha com o sopro e a suavidade de sua respiração que nos faz crer que na simplicidade daquilo que fora criada mulher tem o poder e o dom da escrita na sua pura feminidade....Um forte abraço e um bj bem no seu coraçãozinho....
http://www.uanderesuascronicas.blogspot.com
Convido-a fazer parte do meu blog...

 
©2009 VAN FILOSOFIA! | by Van Luchiari